Vitor Araújo explora o sincretismo cultural brasileiro em novo disco, Levaguiã Terê

O primeiro show de lançamento acontece dia 3, quinta, no Recife

Julia de Camillo Publicado em 02/11/2016, às 14h19 - Atualizado às 15h03

Vitor Araújo
Arquivo

Um velho índio que se transforma em pássaro subterrâneo e voa por debaixo do mundo. Esse é o levaguiã terê. Ou pelo menos foi o que um guia no Vale do Catimbau, que fica entre o agreste e o sertão de Pernambuco, disse a Vitor Araújo. Anos mais tarde, a lenda indígena daria nome ao segundo disco de estúdio do pianista, Levaguiã Terê.

Originalmente, a ideia de Vitor era criar um álbum sobre o candomblé, mas o trabalho acabou por tomar vida própria e se transformar em outra coisa. A pesquisa inicial sobre a religião, no entanto, o fez descobrir a lenda de Oduduá e o Oxalá, muito similar à do levaguiã terê. “Pareceu-me um nome muito correto para colocar no disco, já que ele simboliza esse sincretismo cultural brasileiro.”

Para transformar a pluralidade cultural do Brasil em som, Vitor misturou texturas distintas e distantes – instrumentais clássicos, ritmos de matriz africana e elementos eletrônicos: “Foi um dos grandes desafios do disco, conseguir passar por essas atmosferas diferentes e esses processos diferentes de se compor e se pensar música e equilibrar tudo.” O pianista diz que Bruno Giorgi, coprodutor do álbum ao lado de Vitor, teve papel importante em garantir a unidade do disco, sendo responsável pela engenharia do som desde a gravação até a masterização.

Levaguiã Terê é um disco duplo, dividido em Toques e Cantos. “Como as seis primeiras faixas estão em diálogo absoluto com as seis últimas faixas, eu quis dar essa numeração e nomear com esses dois elementos que são muito presentes nos folclores brasileiro, europeu e indígena e que se mesclaram também na cultura popular do Brasil como um todo”, diz. “O toque não sobrevive sem o canto, nem o canto sem o toque.”

Se Levaguiã Terê é um álbum engenhoso, é porque por trás dele está uma pesquisa complexa. Cada faixa, além de ser numerada e categorizada em Toque ou em Canto, possui uma espécie de subtítulo. Ao lado do professor Silvio Moreira, Vitor adentrou a linguística em busca de palavras de origem indígena, yorubá e europeia que tivessem caído em desuso. “A gente fez basicamente uma coleta de palavras mortas justamente para acompanhar a escolha do título, uma lenda que a gente não tem como averiguar a veracidade”, comenta.

Vitor Araújo é pianista de formação, mas se aventura na composição há aproximadamente três anos, quando começou a aprofundar seus estudos. No novo disco, em sua estreia como escritor para grande orquestra, o piano ganha pouco destaque e se iguala aos outros instrumentos: “O piano só foi [destaque] no ‘Toque n. 4’, ele é solista em oposição à orquestra e não tem nenhum outro instrumento. Em todas as outras faixas, ele é só um elemento entre tantos outros, ele tem a mesma importância que o fagote, a trompa, a voz, o violino e os contrabaixos”, explica. “É um pensamento mais composicional de fato.”

O artista bebeu da fonte de Villa Lobos – Vitor abriu “todas as partituras de orquestras disponíveis dele”, mas aponta a importância da série dos Chôros – e Tom Jobim – em especial, na fase de Matita Perê (1973) e Urubu (1976). “Musicalmente, eu sinto esse disco como uma homenagem a Villa Lobos e a Tom Jobim”, diz o compositor.

Além de Bruno Giorgi na produção, Felipe Pacheco, violinista e guitarrista da banda Baleia, assina duas faixas: “Espelho/Rotunda” e “Rotunda/Espelho”, a transição entre as duas partes do trabalho. Mateus Alves aconselhou Vitor, revisando as partituras, e assina a faixa “Toque n. 4: Caldi-Naguará”. Nego Henrique e Rafa Almeida, ex-Cordel do Fogo Encantado, e Amendoim, ficaram responsáveis pelas percussões. Outras participações no disco são Hugo Medeiros, Gabriel Ventura e Vinícius Sarmento.

Vitor Araújo lança Levaguiã Terê no dia 3, quinta, em show no Recife, sua cidade natal. O artista também fará show de lançamento no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Lançamento de Levaguiã Terê em Recife

3 de novembro (quinta), às 20h

Teatro de Santa Isabel – Praça da República, s/n – Santo Antônio, Recife

Ingressos entre R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)

Lançamento de Levaguiã Terê no Rio de Janeiro

9 de novembro (quarta), às 21h30

Solar Botafogo – R. Gen. Polidoro, 180 – Botafogo, Rio de Janeiro

Ingressos entre R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia) e R$ 30 (lista)

Lançamento de Levaguiã Terê em São Paulo

25 de novembro (sexta), às 21h

Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer – Rua Pedro Álvares Cabral, s/n, Portão 2 do Parque Ibirapuera – Vila Mariana, São Paulo

Ingressos entre R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)