“Você não tem ideia de quantas pessoas já me entregaram chaves de fenda para assinar”, diz atriz de Orange is the New Black

Intérprete de Big Boo é lembrada pela icônica cena da primeira temporada; novos episódios da série da Netflix já estão disponíveis no serviço de streaming

Pedro Antunes Publicado em 07/06/2014, às 08h00 - Atualizado às 11h02

Lea DeLaria - Orange Is the New Black
Andy Kropa/AP

Se Big Boo e uma chave de fenda não lhe dizem nada, é bem provável que você não tenha visto a primeira temporada de Orange is the New Black. Se tiver visto, sabe do que estamos falando: de uma das melhores cenas da primeira leva de episódios - também uma das favoritas da atriz que interpreta a personagem valentona-de-coração-mole.

De Volta ao Laranja: Estrela de Orange Is the New Black, Laura Prepon desmente os rumores de que a cientologia teria interferido no papel dela na série.

Em entrevista para a Rolling Stone Brasil, Lea DeLaria, intérprete de Boo, falou sobre a segunda temporada da série, que chegou completa à Netflix, serviço de vídeos por assinatura, nesta sexta-feira, 6. Neste segundo ano, Piper Chapman (Taylor Schilling) deixará mais espaço para que Big Boo e outros personagens tenham mais espaço no enredo, trazendo mais profundidade à série. Segundo a atriz, Boo mostrará uma nova faceta e saberemos o motivo pelo qual as presas a temem tanto.

A personagem, em princípio, seria secundária em OITNB, mas cresceu graças ao carisma da atriz, que também é comediante. Em uma entrevista divertida, Lea ainda elogiou as mulheres brasileiras, que conheceu recentemente, quando passou por aqui para divulgar a série e participar da Parada Gay paulistana.

Podemos começar?

Deixe-me perguntar, é do Brasil?

Sim, é do Brasil.

Ah, ótimo.

Você acabou de voltar do Brasil, aliás. Como foi a experiência?

O Brasil foi fantástico. Você poderia me explicar como não existem mulheres feias no Brasil? Cada mulher que eu encontrei era mais bonita que a anterior. É incrível!

É, acho que temos sorte.

Eu vi vários homens feios!

É, elas não tiveram a mesma sorte.

Pois é, homens feios e mulheres lindas! Que tipo de genética é essa? Eu preciso ir morar no Brasil.

Veja cinco novos pôsteres da segunda temporada de Orange Is the New Black.

E você foi à Parada Gay, em São Paulo. Foi divertido?

Pedro, vou falar uma coisa. Eu devo ter participado de praticamente todas as grandes paradas gays do mundo. E eles sempre dizem que a deles é a maior. E quando eu fui ao Brasil, falaram: “A nossa é a maior”. E eu pensei que, sim, todos dizem isso. Mas é claramente a maior. Sem dúvida. E a mais divertida. A gente festejou o tempo todo. Demos presentes e lembrancinhas da série. E as pessoas parecem amar o programa aí. Elas enlouqueciam. Eu era como o Justin Bieber pela forma como gritavam para mim. Foi engraçadíssimo. Eu amei!

Por falar na série, sei que Big Boo não era para ser uma personagem tão importante na série. Você mesma já disse isso. O que fez eles mudarem de ideia?

Pelo o que eu entendi, foi Jenji [Kohan, criadora da série], ela viu o meu teste e achou que eu tinha muito a ver com o programa. E os roteiristas me amaram! Eles continuaram escrevendo para mim. Eu sou uma atrizinha sortuda.

Vi que você chegou a fazer algumas audições para a série, mas não conseguiu o papel, foi isso, mesmo?

Sim, eu fiz para alguns personagens, mas não tinha nada que fosse para mim, entende? E eu estava enlouquecendo! Eu não conseguia acreditar que fariam uma série que se passaria em uma prisão e não teria um lugar para mim! Era ridículo.

Atriz de Orange Is the New Black confirma terceira temporada da série.

Como é atuar sabendo que essas histórias – ou parte delas – eram reais, com prisioneiras reais?

Eu comecei com comédia de stand-up. Quando eu atuo, não é que como para os outros atores, que nasceram para isso. Mas elas [prisioneiras reais] vieram e falaram com a gente. Eu não li o livro, porque queria saber como seria o meu personagem lendo apenas o roteiro, então, enquanto eu lia isso, eu não sabia como era uma prisão feminina. Era realmente interessante conhecer esse mundo de mulheres falando sobre as próprias vidas, sobre as realidades delas. E não falar sobre homens, sabe? Isso foi fascinante para mim. Toda a hierarquia, tudo o que acontece lá dentro, para mim, foi muito, muito diferente. Eu embarquei totalmente desde o primeiro momento.

Os roteiristas, então, criaram essa personagem sobre você. Mas enxerga semelhança entre você e a Big Boo?

Quando os roteiristas perceberam que eu iria fazer esse papel, eles começaram a moldá-la para mim. E deixá-la parecida comigo. E eu rio disso. Metade das falas da Boo são coisas que eu falaria. Eu poderia falar várias dessas coisas, entende? Ela caiu como uma luva para mim porque ela sou eu, o que eu posso dizer? Sou eu!

Eu tenho a impressão de que a Big Boo é uma espécie de termômetro do quanto a prisão pode ser assustadora para a protagonista (Piper Chapman). No começo, ela era tão assustadora quanto aquele ambiente. Quando isso muda e conhecemos mais profundamente a Boo, a relação com a prisão muda também. O que você acha disso?

É interessante. Ninguém falou algo assim para mim antes. E eu não tinha notado. Mas eu sei que a Boo é para ter esse lado cômico, mas ela tem um outro lado que vocês verão na segunda temporada. Neste novo ano, vocês conhecerão esse lado dela e como algumas pessoas realmente têm medo dela, entende? Tem uma razão para isso acontecer e você conhecerá isso na segunda temporada.

Como essa é a minha última pergunta, preciso dizer que uma das melhores cenas da primeira temporada é aquela da Boo e uma chave de fenda. Você sabe de qual estou falando, certo?

A cena da chave de fenda [risos]? Quando eles me disseram que iriam fazer isso, eu pulei de felicidade como uma garotinha. Porque eu sabia que as pessoas iriam amar. Sabia que seria algo que elas lembrariam para sempre. Pensa em como é incrível para uma atriz de comédia transformar uma chave de fenda em um vibrador e se masturbar com ela, para efeitos de comédia. Quem não gostaria de fazer isso? Na hora, foi muito animado, todos rimos bastante. E foi tudo meio ridículo. Eu vestia uma calcinha de vovó. Só cometi um erro, pensei no que eu estava fazendo. E morri de tanto rir. Gostei bastante. Você não tem ideia de quantas pessoas já me entregaram chaves-de-fenda para autografar! E eu fico pensando: elas andam com a ferramenta na bolsa delas? De onde elas tiram uma chave de fenda?