Woody Allen e Amazon encerram processo de R$ 282 milhões por quebra de contrato

A gigante da internet cancelou os quatro filmes encomendados ao diretor por conta de acusações de abuso sexual

Redação Publicado em 11/11/2019, às 18h16

None
Woody Allen. (Foto: Associated Press).

Woody Allen e Amazon fizeram um acordo no processo por rescisão indevida que o diretor moveu o titã digital no início deste ano. De acordo com o Hollywood Reporter, “ambos os lados entraram com uma papelada em um tribunal federal de Nova York, que estipulou demissão do caso com prejuízo.” Os termos do acordo não foram divulgados. 

Em fevereiro, Woody Allen abriu um processo de US$ 68 milhões contra a Amazon, alegando que a empresa errou ao terminar o contrato que tinham com base em “acusações sem base alguma feita há 25 anos” (as acusações são de abuso sexual, feitas pela filha adotiva de Allen, Dylan Farrow).

+++ LEIA MAIS: Scarlett Johasson defende Woody Allen de acusações de abuso e diz que trabalharia com ele novamente

O processo afirmava que a Amazon não tinha autorização legal para terminar o contrato, e alegou que a empresa estava ciente “que essas ações causariam danos substanciais ao Sr. Allen.”

O fim do contrato resultou no cancelamento dos próximos quatro filmes do diretor/autor, que teriam resultado em “um pagamento mínimo e garantido, no total, de US$ 68 milhões a US$ 73 milhões.”

+++ LEIA MAIS: Woody Allen escreveu uma autobiografia, mas editoras se recusam a ler 

A defesa da Amazon para quebrar o contrato com Woody Allen foi que tomaram a decisão com base nos comentários do diretor sobre o movimento #MeToo (no qual mulheres, muitas atrizes, expõe abusos sexuais que sofreram). Ele deixou clara a simpatia por Harvey Weinstein, acusado por dezenas de pessoas de abuso sexual, e disse que as circustâncias eram “muito tristes para todos os envolvidos.”

A Amazon também achou os comentários de Allen sobre o caso problemáticos: “Você não quer que isso acabe num clima de caça às bruxas, uma atmosfera de Salem, em que todos os homens em um escritório que pisquem para mulheres sejam chamados a um escritório de advogados para se defender.”

+++ LEIA MAIS: Brad Pitt ameaçou matar Harvey Weinstein por assédio a Gwyneth Paltrow

O estúdio e gigante da TV alegou que os comentários do diretor “sabotaram tentativas comerciais para os filmes dele,” o que afetou os valores do acordo. 

A anulação do processo vem depois da estreia europeia de A Rainy Day in New York, um dos filmes de Woody Allen que fazia parte do acordo com a Amazon. No momento, o filme ainda precisa de um distribuidor nos EUA.