Anvisa autoriza estudo de proxalutamida, remédio citado por Bolsonaro

Após receber alta de hospital, Bolsonaro citou o remédio proxalutamida como tratamento para Covid-19, mas a eficácia ainda não é comprovada cientificamente

Redação Publicado em 19/07/2021, às 14h22

None
A proxalutamida está sendo estudada atualmente para tratmento de câncer de próstata e mama (Foto: Scott Barbour/Getty Images)

Jair Bolsonaro (sem partido) recebeu alta hospitalar no domingo, 18, após ficar internado para tratar uma obstrução intestinal. Na saída, o presidente indicou a proxalutamida, sem eficácia comprovada, como tratamento para a Covid-19 — e nesta segunda, 19, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou o estudo do remédio no Brasil.

Segundo anúncio da Anvisa, foi autorizado um estudo clínico do medicamento para analisar segurança e eficácia da proxalutamida na redução da infecção viral e no processo inflamatório causado pela Covid-19

+++LEIA MAIS: Bolsonaro volta a atacar vacina Coronavac: ‘Não tem comprovação científica’

Quando saiu do hospital, Bolsonaro disse ter lido estudos do CDC (Centro de Controle de Doenças) dos Estados Unidos, e pediu a realização de ensaios clínicos com o remédio no Brasil. O presidente também falou sobre um encontro com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para tratar sobre a droga.

Conforme divulgado pela Anvisa, o estudo de fase 3 será realizado com participantes ambulatoriais do sexo masculino com sintomas leves e moderados da Covid-19. Ao todo, são 50 voluntários: 12 em Roraima e 38 em São Paulo — e o ensaio é patrocinado pela empresa chinesa Suzhou Kintor Pharmaceuticals.

+++LEIA MAIS: Governo Bolsonaro ignorou oferta de 60 milhões de vacinas, diz diretor do Butantan

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) comentou sobre o remédio nas redes sociais. O filho do presidente publicou um vídeo sobre estudos com a proxalutamida; confira abaixo:

Proxalutamida

O medicamento anti-androgênico também está em estudos para tratamento de câncer de próstata e mama, mas ainda não há comprovação científica da eficácia e segurança da proxalutamida.

+++LEIA MAIS: Há 9 meses, Governo Federal ignorou proposta de 18 milhões de doses da vacina Pfizer

Em entrevista ao UOL, o virologista Rômulo Neris, selecionado para estudar a Covid-19 com uma bolsa da Dimensions Sciences, explicou que ainda não há aprovação para o uso do tratamento.

"Ao contrário de outras drogas estudadas contra a covid-19 como a cloroquina e a ivermectina, a proxalutamida não é um reposicionamento de um fármaco, ou seja, ele não é utilizado para tratar outra coisa e está sendo testado para a covid. Ele ainda está em fase de testes para casos de câncer de mama e próstata resistente à castração", explica. "Está na fase 3 dos testes no câncer de próstata e na fase 1 para o câncer de mama," disse.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro divulga chá sem eficácia contra Covid-19 e afirma que doença ‘tem cura’


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL