Anvisa recomenda quarentena de comitiva de Bolsonaro após Queiroga testar positivo para covid

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga testou positivo para covid-19 e segue em quarentena em Nova York; a comitiva de Bolsonaro, contudo, chegou ao Brasil

Redação Publicado em 22/09/2021, às 10h18

None
Jair Bolsonaro e ministros comem pizza na rua de Nova York (Foto: Reprodução/Instagram)

O Ministério da Saúde informou na terça, 21, que o ministro Marcelo Queiroga foi diagnosticado com covid-19 e segue em quarentena em Nova York. Após a notícia, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou que todos da comitiva de Jair Bolsonaro (sem partido) também fiquem em quarentena — inclusive o presidente.

Segundo reportagem do O Globo, a Anvisa remeteu um ofício na madrugada de quarta, 22, à Casa Civil em que dá as orientações sanitárias para medidas protetivas em relação à covid-19. Entre as recomendações, está o isolamento social.

+++LEIA MAIS: Discurso de Bolsonaro na ONU: Presidente diz que auxílio emergencial foi de US$ 800

Jair Bolsonaro discursou na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) na manhã de terça, 21, em meio a críticas por não ter se imunizado contra a covid-19. Ele é o único líder do G20 (grupo das maiores economias do mundo) a ter declarado publicamente que não foi vacinado.

Na terça, 21, mesmo dia do diagnóstico de Marcelo Queiroga, Jair Bolsonaro desmarcou a entrevista que daria à ONU News, site da organização, e antecipou o retorno ao Brasil. A comitiva do presidente desembarcou em Brasília na manhã desta quarta, 22.

+++ LEIA MAIS: Após discurso de Bolsonaro, ONU higienizou púlpito e trocou microfone, diz jornal

Segundo informações do G1, ao longo da viagem, Queiroga participou de diversos compromissos oficiais, como acompanhou encontro de Bolsonaro com o primeiro-ministro do Reino Unido Boris Johnson, também esteve na reunião do presidente com o presidente da Polônia Andrezj Duda, visitou o memorial de 11 de Setembro e outros.

Entre as recomendações da Anvisa à comitiva presidencial estão: desembarque no Brasil de forma a expor o mínimo possível ambientes e pessoas; isolamento de 14 dias após o último dia de contato com o caso confirmado de covid-19; cumprimento de isolamento na cidade de desembarque no Brasil, evitando novos deslocamentos até que tenham ultrapassado o período de transmissibilidade do vírus; e refazer os testes de Covid-10 no Brasil.

+++LEIA MAIS: 5 informações falsas de Bolsonaro no discurso da ONU: redução do desmatamento, auxílio de US$ 800 e mais


Polêmicas de Queiroga e comitiva de Bolsonaro

A viagem do presidente Jair Bolsonaro e sua comitiva a Nova York gerou diversas polêmicas e críticas internacionais. Após o grupo do chefe de Estado ser recebido por protesto depois de jantar, por exemplo, o ministro Marcelo Queiroga fez gestos obscenos aos manifestantes, e mostrou os dedos do meio.

O fato de Jair Bolsonaro não ter se imunizado contra a covid-19 também gerou diversas críticas, inclusive uma “bronca” dada pelo prefeito de Nova York, Bill de Blasio, em pronunciamento oficial.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro entra em hotel pelos fundos para driblar protesto em Nova York

Por não ter comprovante de vacinação, Bolsonaro não pôde frequentar alguns ambientes fechados na cidade, como restaurantes. Para driblar a regra, o presidente comeu pizza na rua com a comitiva (inclusive Queiroga) e uma churrascaria fez um “puxadinho” para o chefe de Estado conseguir almoçar.

Além disso, Bolsonaro recebeu diversas críticas após o discurso na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) realizado na manhã de terça, 21 . O presidente distorceu dados e divulgou informações falsas sobre o desmatamento na Amazônia, o auxílio emergencial e outros temas.