Bolsonaro perde apenas para Maduro na gestão da pandemia, dizem especialistas

Segundo especialistas da América Latina, o desempenho de Jair Bolsonaro durante a pandemia fica atrás, apenas, do Maduro, da Venezuela

Redação Publicado em 28/07/2021, às 09h33

None
Jair Bolsonaro (Foto: Andressa Anholete / Getty Images)

A gestão da pandemia feita pelo governo brasileiro tem uma avaliação ruim, na visão de 380 formadores de opinião de 14 países da América Latina. Conforme noticiado pela coluna de Sanda Cohen, do G1, o desempenho tem relação direta com a maneira como a campanha de vacinação no Brasil foi realizada.

Com a avaliação de especialistas, uma lista foi feita — e Jair Bolsonaro (sem partido) está no penúltimo lugar, atrás apenas de Nicolás Maduro, da Venezuela. A reprovação dos presidentes é de 85% e 90%, respectivamente.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro cita redução de imposto para skate após prata de Rayssa

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Nicolás Maduro (@nicolasmaduro)

 

Grande parte da avaliação do Brasil está ligado a fatores investigados pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid. Disseminação de fake news por parte do governo Bolsonaro, irregularidades na compra de imunizantes, atrasos e falta de vacinas são alguns exemplos. 

O primeiro lugar da lista é ocupado por Luis Alberto Lacalle Pou, Chefe de Estado do Uruguai cuja reprovação é de apenas 20% entre as avaliações dos especialistas. Segundo o G1, o país supera os 60% da população vacinada com as duas doses de vacina contra a Covid-19.

+++LEIA MAIS: ‘Olha o exemplo que estou dando’, diz Bolsonaro sobre tomar cloroquina

Em seguida, o Chile ocupa a segunda posição, conforme a nota dos formadores de opinião ouvidos. Apesar dos 88% de aprovação por especialistas, a impopularidade do presidente, que se agravou em um ano e meio de pandemia, baixou a nota do chefe de Estado.

Até o fechamento desta matéria, o Brasil tinha apenas 18,4% da população imunizada com duas doses — realidade próxima, principalmente, da Venezuela, conforme explicou o G1. O país tem 3,8% dos cidadãos imunizados, e enfrenta bloqueios na tentativa de frear a pandemia.

+++LEIA MAIS: ‘Está difícil’, diz Bolsonaro sobre busca por partido para eleições de 2022


+++ RS TRENDING | CONHEÇA OLIVIA RODRIGO: VIDA, RECORDES, SOUR E MAIS!