Bolsonaro será chamado para depor em inquérito sobre ataques às urnas eletrônicas

Todos que participaram da live de Bolsonaro sobre urna eletrônica serão chamados para depor — e inquérito pode deixar o presidente inelegível

Redação Publicado em 03/08/2021, às 09h48

None
Jair Bolsonaro (Foto: Andressa Anholete / Getty Images)

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) abriu um inquérito na segunda, 2 de agosto, para apurar acusações de fraudes eleitorais feitas por Jair Bolsonaro (sem partido). O próprio presidente será investigado na ação — e será chamado para depor.

Segundo a Folha de S. Paulo, os primeiros a serem convocados para depor serão os participantes da live realizada na quinta, 29, A transmissão ao vivo chamou a imprensa para “provar” a fraude eleitoral — o presidente, contudo, admitiu durante o evento não ter provas de irregularidades.

+++LEIA MAIS: 'Está na cara que querem fraudar', diz Bolsonaro sobre eleições de 2022

Portanto, Bolsonaro, o ministro da Justiça Anderson Torres e outros participantes da live irão depor primeiro. A transmissão também foi enviada ao inquérito de fake news, que corre no STF (Supremo Tribunal Federal) com relatoria de Alexandre de Moraes.

Assim, as decisões do TSE pretendem “encurralar” Jair Bolsonaro em duas esferas, segundo a Folha: criminal (apuração de fake news) e eleitoral (a investigação do TSE pode deixar o presidente inelegível para as eleições de 2022).

+++LEIA MAIS: ‘Está difícil’, diz Bolsonaro sobre busca por partido para eleições de 2022

Live de Jair Bolsonaro

Em live realizada em 29 de julho, Jair Bolsonaro prometia comprovar fraude nas urnas eletrônicas — e inclusive convocou a imprensa para cobrir a transmissão ao vivo. O presidente, contudo, não apresentou evidências, e mostrou notícias falsas já desmentidas por órgãos oficiais.

"Os que me acusam de não apresentar provas, eu devolvo a acusação. Apresente provas de que ele não é fraudável. Não tem como se comprovar que as eleições não foram ou foram fraudadas," disse Bolsonaro durante a live.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro admite não ter provas de fraudes nas eleições: 'Não tem como comprovar'


+++ FIUK: 'TENHO ROCK NA VEIA DESDE CRIANÇA' | ENTREVISTA | RS