Casal com camisa contra Bolsonaro é impedido de tomar vacina contra Covid-19

Luiz Carlos e Dirlene Barros de Oliveira precisaram trocar de camisa para tomar vacina em quartel dos Bombeiros no Rio de Janeiro

Redação Publicado em 13/07/2021, às 11h01

None
Luiz Carlos e Dirlene Barros de Oliveira com camiseta contra Bolsonaro (Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução/Twitter)

Os professores Luiz Carlos e Dirlene Barros de Oliveira foram impedidos de tomar vacina contra Covid-19 em um quartel do Corpo de Bombeiros por vestirem camisetas contra Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo o G1, o casal de 61 anos precisou trocar de roupa para receber a segunda dose do imunizante.

Conforme relato de Luiz Carlos, enquanto estavam na fila do posto de vacinação, foram abordados por um militar que, por ordem do comando, disse que o casal não poderia ser imunizado com manifestações contra o governo Bolsonaro.

+++LEIA MAIS: ‘Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições’, ameaça Bolsonaro

Em entrevista ao jornal O Dia, Luiz Carlos relatou: "O soldado nos abordou com certo constrangimento e disse que o comando não está permitindo vacinar ninguém com camisas e cartazes com mensagens políticas. Ele foi muito educado e ofereceu um banheiro para que fosse feita a troca das camisas."

Conforme declaração do professor, ele colocou a camisa ao contrário enquanto Dirlene Barros de Oliveira retirou a camisa contra Bolsonaro e ficou com blusa neutra que estava por baixo.

+++LEIA MAIS: Oposição protocola 'superpedido' de impeachment contra Bolsonaro; entenda

Segundo o G1, Luiz Carlos falou para o soldado que a atitude era ilegal. Contudo, segundo o professor, o militar afirmou que caso eles decidissem se vacinar com as camisas, o comandante da unidade poderia manter o soldado preso por até 30 dias: 

O professor comentou sobre a situação: "É uma decisão autoritária, que não tem sustentação nenhuma. Eles avisaram que se alguém visse algum tipo de manifestação política no momento da vacinação, o soldado que estivesse ali poderia ser preso por até 30 dias. Todos falavam a mesma coisa e aparentavam ter muito medo."

+++LEIA MAIS: Bolsonaro entra na lista de ‘predadores da liberdade de imprensa’

Além das camisetas terem sido banidas no momento da vacinação, o casal foi orientado para não tirar fotos com as vestimentas de protesto na calçada da unidade militar: “Um bombeiro que estava do lado de fora disse para que a gente tirasse a foto do outro lado da rua, porque ali também era área militar e daria problema para ele,” comentou. 

Luiz Carlos e Dirlene Barros de Oliveira com camiseta contra Bolsonaro (Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução/Twitter)

 

Nas redes sociais, alguns perfis comentaram o caso. Um internauta no Twitter escreveu: "Cada dia a liberdade de expressão se corrói mais no Brasil."

+++ LEIA MAIS: 'Vamos prender Bolsonaro', diz vice-presidente da CPI da Covid


Primeira dose 

Em entrevista ao O Dia, o professor Luiz Carlos afirmou que vestiu outra camisa de protesto na primeira dose e não foi impedido de tomar vacina: "Mesmo quartel com as mesmas pessoas, não tivemos problemas. Como a aprovação do governo era boa, não teve problema nenhum. É muito sintomático o que está acontecendo. É uma tentativa de criar um tipo de censura das pessoas que querem se manifestar contra o que o governo ta fazendo".

O professor continuou: "Eu acho ruim é que fica misturando uma instituição de estado com uma questão política. No momento que o Governo Federal está bastante fragilizado, faz um procedimento para limitar e impedir a liberdade de expressão daqueles que se opõe, que é um direito nosso."

+++LEIA MAIS: 'Quem não está contente comigo, tem Lula em 2022’, diz Bolsonaro após se irritar com apoiadora

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou, em nota, que repudia a atitude contra qualquer tipo de manifestação, desde que pacífica, no ato da vacinação. Segundo eles, os pontos de vacinação do Corpo de Bombeiros são de administração do Governo do Estado.


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL