DiCaprio pede que brasileiros façam registro eleitoral; Bolsonaro responde

Leonardo DiCaprio falou da importância do voto para a proteção da Amazônia brasileira; Jair Bolsonaro pegou carona no tuíte para atacar post do ator em 2019

Redação Publicado em 30/04/2022, às 11h17

Leonardo DiCaprio e Jair Bolsonaro
Reprodução

Leonardo DiCaprio usou o Twitter para comentar a importância da Amazônia para evitar as mudanças climáticas e pedir que jovens brasileiros participem das eleições em 2022. Pegando carona no post, quem respondeu o ator foi Jair Bolsonaro, que citou a mensagem original e relembrou um post feito por DiCaprio em 2019, acusando-o de 'desinformação'

O tuíte de DiCaprio foi feito na última quinta (28), quando o ator escreveu: 'Brasil é a casa da Amazônia e de outros ecossistemas importantes para a mudança climática. O que acontece por lá importa a todos nós e o voto é a chave para um planeta saudável'. O post ainda levava para um site com informações sobre o registro do voto.

+++ LEIA MAIS: Leonardo DiCaprio responde acusação feita por Bolsonaro sobre os incêndios na Amazônia

Na sexta-feira (29), Bolsonaro citou DiCaprio citando a "soberania" do povo brasileiro sobre a Amazônia: "obrigado pelo apoio, Leo! É realmente importante que todo brasileiro vote nas próximas eleições. Nosso povo deverá decidir se querem manter a soberania sobre a Amazônia ou ser governado por impostores que servem a interesses especiais de estrangeiros. Bom trabalho em O Regresso!"

O perfil de Jair seguiu em resposta a Leonardo, escrevendo: "Aliás, a imagem que você postou para falar sobre as queimadas da Amazônia em 2019 é, na realidade, de 2003. Existem pessoas que querem prender cidadãos brasileiros que cometem esse tipo de engano em nosso país. Mas eu sou contra essa ideia tirânica. Abraços do Brasil".

O embate que Bolsonaro promove contra Leonaro DiCaprio data justamente de 2019, quando o político acusou o artista de financiar organizações que espalhariam fogo na floresta brasileira. A acusação, no entanto, jamais foi embasada por provas. Naquele ano, o número de focos de incêndio triplicara em relação ao mesmo período de 2018.