Flávio Bolsonaro comenta recuo do presidente em ataques ao STF: 'Confiem no capitão'

Em publicação, o senador Flávio Bolsonaro tentou tranquilizar apoiadores do presidente, que recebeu críticas após recuar nos ataques ao STF

Redação Publicado em 10/09/2021, às 12h12

None
Flávio Bolsonaro (Foto: ASSOCIATED PRESS)

Após Jair Bolsonaro (sem partido) fazer recuo nos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) pediu aos seguidores das redes sociais para que “confiem no capitão”.

Segundo a Folha de S. Paulo, em publicação nas redes sociais feita na quinta, 9 , o senador e filho do presidente Jair Bolsonaro publicou uma imagem do chefe de Estado com os dizeres “confiem no capitão”.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro responde cobranças para manter ataques ao STF: 'Deixa acalmar'

Na legenda da publicação, feita no Instagram, Flávio Bolsonaro quis tranquilizar os apoiadores do chefe de Estado, e escreveu: "Ele sabe o que está fazendo e é para o bem do Brasil!"

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Flávio Bolsonaro (@flaviobolsonaro)

 

Carta de Bolsonaro à população

Após diversos ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal) feitos nas manifestações de 7 de Setembro, o presidente Jair Bolsonaro divulgou uma carta, nomeada “Declaração à Nação”, com um tom mais pacífico.

+++LEIA MAIS: Senadora Eliziane Gama acusa Flávio Bolsonaro de machismo no Senado: 'Não vamos admitir'

No texto, redigido com a ajuda do ex-presidente Michel Temer, Bolsonaro afirma: "Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar."

A publicação da carta levou a críticas de apoiadores nas redes sociais, assim como cobranças ao presidente para retomar o tom agressivo de críticas ao STF, conforme explicou Bolsonaro em live semanal na quinta, 9.

+++LEIA MAIS: Ataques de Bolsonaro ao STF é ‘coisa do passado’, diz Temer

Durante transmissão, o presidente pediu paciência aos apoiadores: "Queriam que eu respondesse o presidente do Supremo, Fux, que fez uma nota dura. Também usou da palavra o Arthur Lira [PP-AL], [presidente] da Câmara, o Augusto Aras, nosso procurador-geral da República. Alguns do meu lado aqui vieram até com o discurso pronto: 'Tem que reagir, tem que bater'. Calma, amanhã a gente fala, deixa acalmar para amanhã."