PIB do Brasil cai 0,1% no 2º trimestre de 2021, diz IBGE

Queda de 0,1% no PIB representa estabilidade da economia brasileira

Redação Publicado em 01/09/2021, às 15h08

None
Ministro da Economia Paulo Guedes (Foto: Reprodução/Globo News)

A economia brasileira caiu 0,1% no segundo trimestre de 2021, segundo dados do PIB (Produto Interno Bruto) divulgados nesta quarta-feira, 1º de setembro, pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A variação representa estabilidade, e frustrou a previsão de grande parte dos analistas, segundo a Folha de S. Paulo. Profissionais contratados pela agência Bloomberg, por exemplo, previram crescimento de ao menos 0,2% com o trimestre anterior.

+++LEIA MAIS: Ministro pede à população 'esforço inadiável de redução do consumo’ de energia; entenda

Quando comparado ao mesmo período de 2020, o PIB teve um crescimento de 12,4%. No entanto, é preciso considerar que os meses de abril, maio e junho de 2020 representaram o pior momento da atividade econômica durante a pandemia.

Segundo o IBGE, a estagnação da economia brasileira no segundo trimestre de 2021 está relacionada diretamente ao resultado negativo da agropecuária (-2,8%) e da indústria (-0,2%), mesmo que os serviços tenham avançado 0,7% no período.

+++LEIA MAIS: ‘Novo’ horário de verão, crise hídrica e aumento da conta de luz: qual é a situação energética brasileira?

Em reportagem no Globo, Cássia Almeida, afirmou que parte da explicação para a estabilidade do PIB é a estagnação do consumo das famílias brasileiras. Mesmo com a retomada econômica com a melhora da pandemia de covid-19 no país, a alta na inflação, juros e desemprego continua a prejudicar o consumo.

Para 2022, segundo a Folha de S. Paulo, analistas preveem um crescimento próximo de 2% no PIB — índice próximo à situação da economia brasileira no início da gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

+++LEIA MAIS: 'Acabam me culpando por tudo', diz Bolsonaro sobre alta do preço da gasolina e gás

Crise hídrica 

Atualmente, o Brasil enfrenta uma crise hídrica que tem dificultado a geração de energia nas hidrelétricas. Com a busca outras fontes de energia mais caras, o preço da conta de luz aumenta — e o orçamento das famílias brasileiras é afetado.

Na terça, 31, o governo anunciou a criação de uma nova bandeira tarifária que afeta as contas de luz da população. Chamada “Escassez Hídrica”, ela custará R$ 14,20 a cada 100 quilowatt-hora (kWh), um reajuste de 50% na comparação com a bandeira vermelha 2 (atualmente em R$ 9,49).

+++LEIA MAIS: Hidrelétricas podem parar de funcionar, diz Bolsonaro; entenda

Em declaração na quinta, 26, o ministro da economia Paulo Guedes afirmou que "não adianta ficar chorando" devido à alta na conta de luz. Segundo o ministro, a situação é variável, e não pode ser controlada pelo governo federal — mas pode ser enfrentada.


+++ CONFIRA TUDO SOBRE A BANDA 5 SECONDS OF SUMMER!