Presidente da Fundação Palmares é acusado de assédio moral, discriminação e perseguição ideológica; entenda

Servidores e ex-funcionários apontam para rotina de humilhação na gestão de Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares

Redação Publicado em 30/08/2021, às 09h12 - Atualizado às 19h47

None
Sérgio Camargo ao lado de foto com Bolsonaro (Foto: Reprodução/Redes sociais)

O Ministério Público protocolou ação na sexta, 27, em que pede o afastamento de Sérgio Camargo do cardo de presidente da Fundação Palmares é alvo de uma. Segundo reportagem do programa Fantástico, da TV Globo, 16 ex-funcionários e servidores denunciam Camargo por assédio moral, discriminação e perseguição ideológica.

Segundo as denúncias, o presidente da Fundação é responsável por uma rotina de humilhações e terror psicológico no ambiente de trabalho. A ação foi protocolada após 16 funcionários públicos — considerados “esquerdistas” por Camargo — darem depoimentos sobre a gestão do profissional.

+++LEIA MAIS: Presidente da Fundação Palmares quer processar Martinho da Vila por racismo: 'Atacou minha honra'

Em um trecho da reportagem do Fantástico, um dos servidores afirma que Camargo "contaminou todo o ambiente de trabalho e gerou terror psicológico" dentro da Fundação Palmares. Segundo depoimentos, o presidente persegue ideologicamente, promovendo uma “caçada de esquerdistas”.

De acordo com a ação, Sérgio Camargo pede para ser avisado caso algum funcionário da Fundação Palmares seja de esquerda. O objetivo seria identificação dos profissionais para serem afastados dos respectivos cargos.

+++LEIA MAIS: 'Sérgio Camargo é um preto de alma branca,' diz Martinho da Vila

Declarações de Sérgio Camargo

Nomeado presidente da Fundação por Jair Bolsonaro, Sérgio Camargo se define como "negro de direita, antivitimista, inimigo do politicamente correto e livre," conforme publicado por reportagem do UOL.

Desde que assumiu a presidência da Fundação Palmares, Camargo deu diversas declarações problemáticas a respeito da comunidade negra e o racismo no Brasil. Em novembro de 2020, por exemplo, afirmou que “não existe racismo estrutural no Brasil” e publicou um vídeo a favor de acabar com o Dia da Consciência Negra, celebrado no dia da morte de Zumbi dos Palmares.

+++LEIA MAIS: Acusados de racismo e agressão, filho de Liam Gallagher e neto de Ringo Starr serão julgados em 2022

Anteriormente, Camargo também afirmou que a escravidão foi “benéfica para os descendentes”, que o movimento negro no Brasil precisa ser “extinto” e disse: "negro de esquerda é burro".


+++ CONFIRA TUDO SOBRE A BANDA 5 SECONDS OF SUMMER!