Quarentena de Queiroga em Nova York deve custar mais de R$ 30 mil em diárias; entenda

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga foi diagnosticado com covid-19 durante viagem de Bolsonaro e comitiva aos EUA

Redação Publicado em 22/09/2021, às 15h55

None
Marcelo Queiroga (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde de Jair Bolsonaro (sem partido), foi diagnosticado com Covid-19 durante a viagem do presidente aos Estados Unidos para participar na Assembleia-Geral da ONU. Apesar de a comitiva ter retornado ao Brasil, o ministro segue em quarentena em Nova York — e apenas valor de diárias em hotel deve custar R$ 30 mil.

Segundo a Folha de S. Paulo, Queiroga deve ficar 14 dias no hotel Intercontinental Barclay, onde está hospedado, para cumprir a quarentena. O quarto mais barato do estabelecimento custa US$ 5.735 (mais de R$ 30 mil, segundo cotação desta quarta, 22), de acordo com cotação feita junto ao hotel.

+++LEIA MAIS: 5 informações falsas de Bolsonaro no discurso da ONU: redução do desmatamento, auxílio de US$ 800 e mais

Além das diárias, de acordo com a reportagem, também incluem uma taxa de amenidades (US$ 35/dia), café da manhã (US$ 50/dia) e impostos. No entanto, acréscimos de serviços ou descontos também podem funcionar como variantes dos preços.

Quando os valores de quarto de luxos são considerados, os custos da quarentena de Queiroga aumentam: o valor total iria de o valor total subiria para US$ 6.539 (R$ 34.360) — no entanto, não se sabe em qual categoria de quarto o ministro está hospedado.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro entra em hotel pelos fundos para driblar protesto em Nova York

Segundo informações do G1, ao longo da viagem, Queiroga participou de diversos compromissos oficiais, como acompanhou encontro de Bolsonaro com o primeiro-ministro do Reino Unido Boris Johnson, também esteve na reunião do presidente com o presidente da Polônia Andrezj Duda, visitou o memorial de 11 de Setembro e outros.

Durante a viagem aos Estados Unidos, o ministro Queiroga também protagonizou uma situação polêmica. Após a comitiva do presidente ser recebida por protesto depois de jantar, o ministro fez gestos obscenos, mostrando os dedos do meio a manifestantes contrários ao presidente brasileiro.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro é alvo de denúncias e piadas na ONU, diz colunista