75 anos de Mick Jagger: o ícone do rock mais elusivo e divertido

Rob Sheffield reflete sobre o fanatismo acerca do líder dos Rolling Stones

Rob Sheffield Publicado em 26/07/2018, às 12h09 - Atualizado às 12h37

Mick Jagger, dos Rolling Stones, se apresenta no Indianapolis Motor Speedway

Ver Galeria
(4 imagens)

Nesta quinta, 26, Mick Jagger completa 75 anos. Apesar de uma vida inteira sob o olhar do público e dos fãs, o vocalista e compositor consegue se manter como o ícone do rock mais visível e, ao mesmo tempo, também como o mais misterioso e imprevisível.

Enquanto é fácil perceber o que há de legal em Keith Richards, Ron Wood e Charlie Watts, Jagger se impõe como o integrante mais elusivo dos Rolling Stones, se orgulhando de cada um dos segredos que mantém para si mesmo. E esse é claramente um dos vários motivos para tanta gente amá-lo.

Outro desses tantos motivos está nas letras geniais que o vocalista escreve. Esbanjando criatividade e versatilidade, ele compõe músicas de partir o coração, entre elas “No Expectations”, “Child of the Moon” e “Miss You”, além de faixas genuinamente engraçadas como “Shattered”, “Who’s Driving Your Plane” e “Dead Flowers”, e ainda as assustadoras “Sway”, “Play With Fire” e “Memo From Turner”.

Jagger passou por tantas fases, e deixou para trás tantas facetas (com a facilidade e simplicidade de quem limpa merda da sola dos sapatos), que essas mudanças são o que o tornam tão ágil e flexível (literal e figurativamente), enquanto outras lendas da música ficam ultrapassadas.

Junte tudo isso a uma invejável energia — assisti-lo girar, pular e se contorcer no palco nos faz considerar que talvez Lúcifer tenha sido o instrutor de pilates dele — a um ótimo senso de humor sempre disposto a fazer os fãs darem risada, e temos Mick Jagger.