Antiga residência de Jimi Hendrix em Londres será atração turística

Casa descrita como “o único lar que tive” pelo guitarrista será aberta em 11 de fevereiro
  • Imprimir
O Nascimento dos festivais de rock
Getty images
por Redação
30 de Jan. de 2016 às 10:24

Em 1968, Jimi Hendrix se estabelecia como astro do rock na Inglaterra, tendo lançado os dois primeiros singles, Hey Joe (1966) e Purple Haze (1967), além do álbum de estreia com a Jimi Hendrix Experience, Are You Experienced? (1967). O guitarrista já morava em Londres desde 1966 e construiu uma reputação com shows energéticos em diversos locais da cidade.

Rolling Stone elegeu os 100 maiores guitarristas de todos os tempos: veja a lista.

Em 1968, ele passou o ano divido entre turnês nos Estados Unidos e sessões de estúdio para gravar o segundo disco completo da carreira, Axis: Bold as Love (1968). Quando voltou a Londres, ele e a então namorada, Kathy Etchingham, se estabeleceram no número 23 da Brook Street, casa na qual ele concedeu diversas entrevistas, compôs músicas e foi uma vez descrita por ele como “o único lar que tive.”

A partir do próximo dia 10 de fevereiro, a casa passará a ser um museu permanente, depois de ter sido restaurada e ornada com acessórios, telas e referências à obra e à vida de Hendrix. Único endereço reconhecido mundialmente como residência oficial do guitarrista norte-americano, a casa possui cômodos que os fãs do músico desejam visitar há décadas.

Galeria: os melhores segundos discos de grandes nomes da música.

Uma das curiosidades do local é que o músico clássico Georg Friedrich Handel morou na casa ao lado no século 18. Quando Hendrix soube que Handel viveu no número 25 da mesma rua – literalmente a residência vizinha –, ele chegou a comprar as obras Messiah e Water Music, de Handel, para conhecer o trabalho do artista.

Um museu na casa que foi de Handel já está funcionando no endereço desde 2001, e a de Hendrix será aberta em 11 de fevereiro. O lar do guitarrista foi reconstruído durante cerca de dois anos para ter a mesma aparência de quando ele morava lá, oferendo detalhes da vida doméstica em Londres na segunda metade dos anos 1960. As entradas para o museu custarão 7,50 libras (cerca de R$ 42).

Recomendadas