Lorde cancela show em Tel Aviv e embaixador israelense para a Nova Zelândia pede para se encontrar com ela

“Acho que a decisão correta neste momento é a de cancelar a apresentação”, disse a cantora, que levaria a turnê do disco Melodrama ao país

Rolling Stone EUA Publicado em 27/12/2017, às 16h48 - Atualizado às 18h28

Lorde no <i>Late Night With Seth Meyers</i>

Ver Galeria
(3 imagens)

Lorde decidiu cancelar o show que faria em 2018 em Tel Aviv após ceder a uma campanha que pedia para que ela não levasse a turnê do disco Melodrama a Israel por causa de um movimento de boicote cultural ao país que tem conseguido cada vez mais adesões.

Os organizadores confirmaram ao The Jerusalem Post que Lorde tinha desmarcado a apresentação que aconteceria no Centro de Convenções de Tel Aviv no dia 5 de junho. Em um comunicado para os organizadores, Lorde explicou a decisão dela sem mencionar o boicote contra a ocupação de territórios palestinos por parte de Israel.

"Recebi um número assustador de mensagens e cartas e debate o assunto com pessoas de diferentes opiniões, e acho que a decisão correta neste momento é a de cancelar”, ela escreveu.

"Eu me orgulho de ser uma jovem cidadã bem informada e li muito, procurei muitas opiniões antes de decidir marcar um show em Tel Aviv, mas não sou tão orgulhosa a ponto de não admitir que eu tinha tomado a decisão errada nesse caso”, falou a cantora.

Além de Lorde, vários outros artistas cederam à pressão do movimento e cancelaram apresentações em Israel, entre eles Roger Waters, Elvis Costello, Thurston Moore e Lauryn Hill.

O embaixador de Israel para a Nova Zelândia convidou Lorde a encontrá-lo nesta quarta, 28. Itzhak Gerberg afirmou que o boicote ao seu país representa "hostilidade e intolerância".