Os dez maiores discos do punk rock nacional

Paulo Cavalcanti Publicado em 20/07/2016, às 19h29 - Atualizado às 19h31

A formação do Ratos de Porão que gravou o seminal <i>Crucificados pelo Sistema</i>: João Gordo, Mingau, Jabá e Jão

Ver Galeria
(10 imagens)

Quando o punk explodiu na segunda metade da década de 1970 nos Estados Unidos e na Inglaterra, o rock passou por um necessário rejuvenescimento e novamente voltou a falar a linguagem das ruas. O impacto do movimento foi sentido não só nesses países – levou um pouco mais de tempo, mas o Brasil o adotou com incrível intensidade. Claro, o punk por aqui não chegou ao mainstream, mas a urgência da linguagem inspirou uma legião de jovens insatisfeitos, que logo adotaram a tática do “faça você mesmo” (ou, na expressão em inglês, “do it yourself”).

São Paulo em particular recebeu o punk de braços abertos. Em 1982, saiu de forma independente a coletânea Grito Suburbano, o primeiro álbum nacional do gênero, com bandas da metrópole. Em dois dias de novembro daquele ano aconteceu ainda, no Sesc Pompeia, um dos marcos do punk brasileiro: o festival O Começo do Fim do Mundo. Tendo o escritor Antônio Bivar como um dos principais idealizadores, o evento reuniu jovens da capital e da região do ABC paulista. O palco foi ocupado por bandas como Inocentes, Ratos de Porão, Cólera, Lixomania e Olho Seco. No segundo dia, houve confronto entre grupos rivais e com a polícia (a história é contada no documentário O Fim do Mundo, Enfim, lançado pelo selo Sesc no início de 2016).

Bivar é autor do livro O que É Punk, parte da coleção Primeiros Passos, uma obra didática que explica quem era aquele povo furioso usando corte de cabelo moicano e roupas com tachinhas. Na Galeria do Rock, localizada no centro de São Paulo, foi aberta a loja Punk Rock Discos, que trazia novidades, lançava novas bandas e aglutinava os adeptos do movimento. Fabio Sampaio, dono da Punk Rock, fez parte do Olho Seco, um dos grupos seminais daquela época.

Em 2012, os 30 anos d’O Começo do Fim do Mundo foram relembrados no mesmo Sesc Pompeia. Além do show comemorativo registrado em O Fim do Mundo, Enfim, houve o encontro de integrantes da velha guarda da cena punk dos anos 1980 com a nova geração. Os veteranos tiveram ali um momento oportuno para refletir sobre a importância do trabalho que fizeram (muitos seguem fazendo).

O punk nacional tem uma história rica. Hoje, ao olhar para a produção que os pioneiros realizaram na década de 1980, surpreende a diversidade que essas bandas apresentavam. Cada uma delas tinha um som característico, um direcionamento e um discurso próprio. Pedimos a especialistas e pessoas envolvidas com o movimento que apontassem os discos que eles consideram os mais importantes do punk nacional. Conheça a lista clicando nas setas na foto do Ratos de Porão acima.

Quem votou: André Barcinski, Antônio Bivar, Daniel Vaughan, Gastão Moreira, Luiz César Pimentel, Pedro Só e Sérgio Martins.