Tom Petty, ícone do rock, morre aos 66 anos

Empresário confirmou a morte do músico, que sofreu parada cardíaca, perdeu a atividade cerebral e sobreviveu por horas com a ajuda de aparelhos; a polícia de Los Angeles havia confirmado a morte dele erroneamente na última segunda, 2, mas depois voltou atrás
  • Imprimir
por Redação
3 de Out. de 2017 às 08:52

Tom Petty, artista norte-americano que se consagrou nos anos 1970 como líder do Tom Petty and the Heartbreakers, morreu aos 66 anos de idade. O agente de longa data do artista, Tony Dimitriades, confirmou a morte dele na madrugada desta terça, 3, em um comunicado escrito em nome da família.

"Em nome da família de Tom Petty, estamos arrasados de anunciar a morte prematura de nosso pai, marido, irmão, líder e amigo Tom Petty", disse Dimitriades. "Ele teve uma parada cardíaca em sua casa, em Malibu, na madrugada de domingo, 1, para segunda, 2, e foi levado para o UCLA Medical Center, mas os médicos não conseguiram reanimá-lo. Ele morreu em paz às 20h40 [horário de Los Angeles; 0h40 da terça, 3, em Brasília], cercado pela família, banda e amigos."

O músico havia sido encontrado inconsciente pela esposa no último domingo, 1, após sofrer um ataque cardíaco, de acordo com informações do TMZ. O canal de TV CBS até havia chegado a confirmar morte do cantor, citando fontes da Polícia de Los Angeles; a polícia, no entanto, disse posteriormente que não tinha informações a respeito e que não estava investigando o caso.

Tom Petty sempre genial: folk, garagem e mais elementos da obra consistente e original que o músico deixou

Também na última segunda, 2, nas redes sociais, muitos companheiros de profissão, artistas e famosos chegaram a se despedir de Petty, postando mensagens e homenagens de todos os tipos. Apesar de as informações da morte dele terem sido vastamente divulgadas na internet, o músico continuava vivo, ainda que já sem atividade cerebral.

Segundo o TMZ, Petty foi internado no Hospital UCLA Santa Monica, nos Estados Unidos. Ele chegou ao local já sem atividade cerebral e foi mantido vivo com a ajuda de aparelhos. Porém, tendo em vista o estado de saúde dele, foi decidido que os aparelhos seriam desligados.

Petty terminou a última grande turnê dele ao lado do Heartbreakers em agosto. O giro com mais de 50 shows correu os Estados Unidos desde o início de abril. Esta foi a primeira vez que eles subiram aos palcos em três anos, para comemorar as quatro décadas do grupo. Em uma entrevista de 2016 à Rolling Stone EUA, Petty falou sobre as performances.

Em 2016, Tom Petty and the Heartbreakers se preparava para turnê que acabou sendo “a última grande” da banda

“Estou achando que pode ser a última viagem pelo país. É muito provável que continuemos tocando, mas fazer 50 shows em uma turnê? Acho que não. Todos já passamos dos 60. Tenho uma neta que quero ver o máximo possível.”

Carreira
Nos final dos anos 1970, as histórias sobre rebeldes, exilados e refugiados começaram a subir nas paradas de música. Canções como "The Waiting," "You Got Lucky," "I Won't Back Down," "Learning to Fly" e "Mary Jane's Last Dance" dominaram as listas de rock da época, e a maioria dos álbuns de Petty foram classificados como discos de ouro ou prata.

O mais recente lançamento dele, Hypnotic Eye, alcançou o topo das paradas em 2014. Petty, que também tem trabalhos solo e com as bandas Traveling Wilburys e Mudcrutch, entrou para o Hall da Fama do Rock and Roll em 2002. Saiba mais sobre a vida e a obra de Tom Petty.

Recomendadas