Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Balanço Lusitano

Com ajuda de Marcelo Camelo, Momo valoriza groove em disco gravado em Portugal

Lucas Brêda Publicado em 07/05/2017, às 11h31

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
<b>Opostos Complementares</b><br>
Momo lança canções mais alegres, mas ainda com um quê de melancolia
 - Divulgação
<b>Opostos Complementares</b><br> Momo lança canções mais alegres, mas ainda com um quê de melancolia - Divulgação

Penúltimo álbum de Momo (codinome do mineiro Marcelo Frota), Cadafalso (2013) tem capa desfocada e em preto e branco, é inteiro reproduzido em voz e violão e é ancorado na languidez de faixas como “Sozinho”. O sucessor, Voá, quinto álbum dele, lançado em fevereiro, é uma resposta a esse “antigo” e sombrio Momo, que vem agora cheio de groove, algumas letras esperançosas e uma atmosfera solar. “Perdão, o meu destino não é solidão”, canta ele logo na abertura, “Esse Mar”.

“[Thiago Camelo] escreveu essa música em cima de uma melodia minha e fez pensando em mim”, conta Momo, falando do irmão do ex-Los Hermanos Marcelo, que também é coautor de faixas de Voá. “Essa foi minha primeira parceria com o Thiago. Eu tinha acabado de voltar de Chicago, cheguei no Rio de Janeiro sem saber muito o que fazer. Aí ele diz: ‘Meu destino não é a solidão’. Não é à toa que ela inicia o disco.” Depois de uma temporada na cidade norte-americana em 2014, Momo encontrou o casal Marcelo Camelo e Mallu Magalhães e foi convencido a tentar uma vida em Lisboa, onde vivem.

Voá é resultado da mudança para o bairro de Alfama, na capital portuguesa – não só tematicamente, mas também de maneira prática: o álbum foi produzido e gravado por Marcelo no estúdio dele. “Quem construiu a seção rítmica foi o Marcelo”, explica Momo. “Era uma preocupação nossa: os beats, os andamentos. Foi um movimento diferente do que eu vinha fazendo. Existem sambas e balanços assumidos. Antes, eles não eram explorados.” Além dos irmãos Camelo, Momo contou com a ajuda de Wado na composição de “Nanã”. O lusitano Camané – para o mineiro, o “melhor cantor de fado” – empresta a voz à ode geográfica “Alfama”.

Apesar de representar um caminho significativamente mais iluminado para Momo, Voá ainda é majoritariamente composto em tons menores, garantindo a presença, ainda que em segundo plano, da melancolia característica da obra do artista. “Por mais que tenhamos alguém – uma esposa, um esposo –, a solidão é uma condição do ser humano”, pondera, como se não permitisse que o momento jubiloso lhe tirasse os pés do chão. “Quando a gente vai deitar à noite, somos nós com nós mesmos. Nós e nossos monstros e demônios.”