Os grandes sucessos dos artistas do Rock in Rio

Relembre os hits de 15 atrações internacionais que desembarcam no Brasil este mês para o festival

Redação Publicado em 14/09/2011, às 12h38 - Atualizado em 23/09/2011, às 07h34

Relembre na galeria de vídeos a seguir, o primeiro grande hit de cada uma das principais atrações internacionais do Rock in Rio.

Você pode nunca tê-los visto ao vivo antes, mas certamente já ouviu por aí um grande hit da carreira deles, aquela música que ajudou a divulgar esses artistas para o mundo. Veja aqui uma lista com os sucessos de 15 atrações internacionais que desembarcam no Brasil este mês para o Rock in Rio.


Eis que você é filha de Stevie Wonder e seu pai compõe a ensolarada “Isn’t She Lovely” para você. O que pedir mais? Um dos grandes sucessos do artista, que integra o clássico disco Songs in the Key of Life (1976), foi inspirado justamente em sua cria, Aisha Morris, que naquela época tinha apenas um ano de idade.
Uma das surpresas boas de 2010 foi o disco The ArchAndroid (Suites II and III), trabalho de estreia da norte-americana cheia de estilo e talento Janelle Monáe – quase que uma versão mais nova e feminina de James Brown. “Tightrope” (que também conta com Big Boi, do OutKast) ficou em oitavo lugar na lista das melhores canções de 2010 da Rolling Stone EUA e é o tipo de música vigorosa que naturalmente leva qualquer um à pista de dança.
Até hoje é um dos maiores sucessos dos Chili Peppers e sempre um dos pontos altos nas apresentações ao vivo. Na tracklist do bem-sucedido Blood Sugar Sex Magik, de 1991, o rock irresistível com batida marcante, guitarra funkeada, letra positiva, homenagem a Bob Marley e refrão grudento. Tudo para dar certo. E deu.
Você pode até ter mudado as estações do rádio tentando fugir desse hit, mas “Umbrella” foi executada pelas emissoras pop mundiais à exaustão. A faixa integrou o álbum Good Girl Gone Bad, de 2007, e contou com o apoio de Jay-Z (que auxiliou na composição e nos vocais). Rihanna já tinha alguns sucessos, mas foi esta canção que a colocou de vez no mapa da música atual. Um dos feitos: terceiro lugar na lista das melhores músicas de 2007, elaborada pela Rolling Stone EUA.
No topo de inúmeras paradas musicais ao redor do globo, “Tik Tok”, foi a estreia da cantora metida a “vida louca” que escova os dentes com whisky. Integrando o disco Animal, a faixa fez tanto, mas tanto sucesso que ganhou até um especial em Os Simpsons no ano passado: no lugar da tradicional música de abertura, o programa foi iniciado ao som do hit com Lisa Simpson protagonizando a cena até então inédita.
As chances de Shakira, no Rock in Rio, resolver relembrar esse sucesso muito, mas muito antigo, são bem, mas bem pequenas. A faixa é da década de 90, de uma época na qual ela ostentava madeixas longas e morenas e promovia o álbum Pies Descalzos. Pensando na possibilidade muito improvável da sorte sorrir para os fãs old school da musa colombiana e a faixa aparecer no set, vá treinando o fôlego novamente, porque não é nada fácil cantar “Ahogándome/Entre fotos y cuadernos/Entre cosas y recuerdos/Que no puedo comprender” rapidão e sem errar.
O quinto single do disco Eyes Open (2006) tocou bastante nas rádios, na TV, e especialmente, em um longo comercial que ficou bastante tempo no ar, aqui no Brasil, da série da TV a cabo ER. O clipe, bastante curioso, também foi bastante executado – o vídeo é um plano-sequência tirado do filme C'était un Rendezvous (1976), de Claude Lelouch. Essa foi a primeira vez que o cineasta deu permissão para que alguém usasse imagens desse filme.
Pouca gente tinha ouvido falar nessa garota religiosa da Califórnia até que ela surgiu nas rádios de diversos países versando sobre a experiência de beijar uma menina (e gostar). A faixa que levou Katy ao sucesso integra One of the Boys, de 2008. Composta por Dr. Luke, Max Martin e Cathy Dennis, a faixa foi indicada a toda uma gama de prêmios, quando lançada, do Grammy ao Kids' Choice Awards. Além disso, a música foi reconhecida como o décimo single mais vendido do século 21. Mesmo sendo tocada à exaustão, é um dos pontos altos do show de Perry.
Se você não souber nada sobre o Coldplay e cair no show da banda britânica de paraquedas, é recomendável conhecer pelo menos esta canção, que certamente fará com que os fãs cantem em coro, com direito a celulares e isqueiros erguidos. Sucesso do disco Parachutes, o primeiro do grupo, “Yellow”, de 2000, ajudou a popularizar o Coldplay, isso antes do vocalista Chris Martin virar notícia com frequência também por causa de sua esposa hollywoodiana e sua filha com nome de fruta.
O clipe dessa música passou, passou e passou na televisão à época que foi lançado. Bastante adequado ao título do disco a que pertence Travelling Without Moving (1996), o clipe mostra o vocalista Jay Kay em um chão de esteira, que se move e acaba sendo o condutor da coreografia. No VMA de 1997, o vídeo foi indicado dez vezes, recebendo quatro prêmios. Essa é, certamente, uma das canções mais conhecidas do Jamiroquai.
Primeira canção de temática sóbria do disco Fallen (2003), “My Immortal” surpreendeu os fãs do Evanescence após uma sequência de singles mais pesados, como “Going Under” e “Bring Me to Life”. Conduzida ao piano pela vocalista Amy Lee, a música tem um etéreo que a conduziu levemente até o segundo lugar nas paradas norte americanas de música pop. Quanto a Fallen, continua sendo o disco mais vendido do Evanescence até os dias de hoje e com as músicas mais pedidas pelos fãs durante os shows.
Recém-chegados ao mercado fonográfico, o Maroon 5 despontou para a fama logo em seu primeiro álbum, Songs About Jane, de 2002. Com uma mescla de ritmos e um estilo vocal que iria influenciar em breve nomes como James Blunt, “This Love” foi composta pelo vocalista Adam Levine para sua ex-namorada, com letras pessoais e que, segundo ele, tem conotações sexuais. A canção não foi um estrondo, mas serviu para colocar a banda entre as 40 bandas mais quentes do momento nos EUA.
Extraída de 5 (1998), um dos discos de maior sucesso de Lenny Kravitz, “Fly Away” foi a canção que transformou Lenny Kravitz em rei no Reino Unido, alcançando o primeiro lugar nas paradas britânicas e o top 20 nas norte-americanas. Com um ritmo baseado no funk rock, mas sem deixar de lado a levada pop, “Fly Away” fugiu à regra da “música feita para vender” e faturou um Grammy em 1999, por melhor performance masculina.
A primeira parceria de composição entre o vocalista Axl Rose e o guitarrista Slash não poderia ter se saído melhor – “Welcome to the Jungle” é a faixa de abertura do primeiro álbum do Guns, Appetite for Destruction (1987), e também uma das mais emblemáticas da banda. Com um riff que marcou a todos que viveram o fim da década de 80, “Welcome to the Jungle” tem tudo que uma clássica canção de hard rock precisa ter: vocais gritantes, bateria marcada, solos de guitarra e, é claro, cabelos esvoaçantes.

Primeiro grande sucesso da banda, “Chop Suey!” foi banida das rádios norte-americanas em 2001, após os ataques de 11 de setembro. Ao mesmo tempo, Toxicity era o primeiro disco do grupo a chegar ao primeiro lugar das paradas de sucesso dos EUA. Com um vocal rápido e quase ininteligível de Serj Tankian, “Chop Suey!” revitalizou o gênero do metal alternativo na música e elevou o System of a Down ao patamar de uma das bandas mais importantes dos anos 2000.