Elis Regina com Rita Lee, Tom Jobim, Jair Rodrigues e Gal Costa: vídeos memoráveis

Redação Publicado em 13/02/2012, às 23h16 - Atualizado às 23h19

Elis Regina
Foto publicada no livro Furacão Elis, e gentilmente cedida pela Editora LeYa

Por Cláudia Boëchat

Elis Regina é daquelas cantoras que a gente pode ouvir mil vezes que não enjoa. Ao contrário, é sempre um prazer. Por isso, essa é a primeira vez que falo dela aqui, mas, com certeza absoluta, não será a última.

Bom, pra relembrar essa figura inigualável da MPB (que há três décadas nos deixou, em 19 de janeiro de 1982), escolhi quatro vídeos nos quais Elis faz duetos geniais como ela. Aliás, o caso da Elis não é de genialidade, porque seu talento nunca esteve ligado à inteligência e, sim, ao coração. Ela canta com alma. Mais que interpretar, Elis vive a música. Não vou postar aqui (ao menos hoje), mas quem não se lembra dela chorando enquanto entoava “Atrás da Porta”?

Falando em lágrimas, Elis morreu vítima de uma overdose de cocaína e álcool. Esses ícones excepcionais do mundo das artes geralmente têm um fim trágico. Mas não acabam aí. Elis é perene e absolutamente ímpar. Contudo, olha só o que ela fez ao conseguir um par:

Elis e Tom Jobim:

A canção que dá nome ao disco foi tratada como brilhante pela crítica nacional e internacional. O disco foi gravado em 1974, quando Elis fazia dez anos de gravadora, a Philips. Foi ela quem escolheu fazer um disco com Tom Jobim que, anos antes a recusou para um papel no musical Pobre Menina Rica porque ela cheirava a churrasco. Optou por Nara Leão. As gravações foram meio nervosas, porque Tom implicava um pouco com os arranjos e piano eletrônico de Cesar Camargo Mariano, marido de Elis. Na contracapa do disco, Elis escreveu: "Nos meus dez anos de gravadora, ganhei de presente um encontro com Tom. Foram momentos vividos por duas pessoas muito tensas, que só conseguem se descontrair através da música. Ficou a saudade de um passado recente, em que as cores eram outras e as pessoas mais felizes". Tom, como Elis, não tem substituto. Ele inclusive foi homenageado com um prêmio pelo conjunto da obra no Grammy 2012, no último domingo, 12. Olha como a dupla brinca com palavras e emoções:

Elis e Jair Rodrigues (foto):

Par histórico. Elis e Jair fizeram um show juntos em 1965 e foi sucesso absoluto. Gravaram três discos ao vivo, chamados Dois na Bossa, e ainda comandaram durante três anos um programa na TV Record que foi um marco na MPB, O Fino da Bossa. Reparem no “gingado” deles. Esses aí se divertiam. O vídeo abaixo é de uma apresentação em Portugal. Primeiro, Elis canta sozinha “Upa Neguinho”, canção inesquecível. Clique aqui para ler entrevista com Rodrigues, que relembra a amizade com a cantora.

Elis e Gal:

Duas vozes absolutas, instrumentais. Elis Regina e Gal Costa tratam suas vozes como um instrumento a mais na orquestra. Nesse caso, Elis não é apenas coração. É uma espécie de artesã de sua capacidade vocal, criando o som que deseja, da forma como imagina. E Gal, idem. E no meio de tanta maestria, essas duas não deixam de se divertir também. Um detalhe: reparem como Elis tem trejeitos parecidos com os de Jair Rodrigues, mesmo longe dele. Esse vídeo também é memorável, para se ver incansavelmente.

Elis e Rita Lee:

Irreverência. Qualidade comum às duas, que passaram uma década olhando torto uma para a outra. Afinal, Elis era a rainha da MPB e Rita Lee uma roqueira, ritmo que ainda era visto como espécie de invasão norte-americana. No entanto, Rita foi presa em 1976 por porte de maconha e, surpreendentemente, a única que foi visitá-la na cadeia foi Elis Regina. Daí nasceu uma grande amizade, uma grande parceria para felicidade geral (clique aqui para ver a própria Rita contando essa história). Elis era tinhosa, tinha um temperamento danado, e acabou ganhando o apelido de Pimentinha, dado por Vinicius de Moraes. Daí, Rita compôs com Roberto de Carvalho “Doce Pimenta”:

Pra completar, a própria Rita Lee acha que Maria Rita, filha de Elis, ganhou esse nome por causa dela. Elis chamava Rita de Maria Rita. E, falando em Maria Rita, olha só que bacana mãe e filha nesse vídeo com Marília Gabriela. Maria Rita vesguinha e Elis falando de ecologia em 1980. Uma visionária em todos os aspectos.