Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Cinema / Eita!

Instinto Selvagem: Filmagens foram 'jornadas assustadoras', diz Sharon Stone

Intérprete de Catherine Tramell em Instinto Selvagem, Sharon Stone também comentou como é 'divertido' ver o gênero thriller erótico reviver

Sharon Stone em Instinto Selvagem (Foto: Divilgação)
Sharon Stone em Instinto Selvagem (Foto: Divilgação)

Um dos principais filmes da carreira de Sharon Stone e indicado ao Oscar 1993 nas categorias Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora (perdeu para Os Imperdoáveis e Aladdin, respectivamente), Instinto Selvagem representou uma "jornada assustadora" para a atriz, intérprete de Catherine Tramell.

Durante entrevista à People no evento VultureFest, a atriz refletiu sobre o gênero thriller erótico e comentou como o filme em questão a fez se examinar de maneiras muitas vezes desconfortáveis. Vale lembrar como o longa foi polêmico na época do lançamento, e criticado pelas cenas sexualmente explícitas.

+++LEIA MAIS: Robert De Niro e Joe Pesci foram dos poucos atores que 'não foram misóginos' com Sharon Stone

"Precisei enfrentar todo o meu ser, e essa é uma jornada assustadora. Mas uma vez que você faz isso, você sai com uma tremenda confiança porque você teve que olhar para si, partes de você que você nunca teria que cavar fundo e olhar, partes assustadoras, partes sombrias, partes preocupantes," afirmou.

Após fazer isso, você ganha um pouco de confiança porque realmente se olhou no espelho escuro.

Em seguida, a atriz comentou como é "divertido" ver o gênero reviver mais de 30 anos depois de Instinto Selvagem: "Acho que as pessoas gostam disso. É divertido, emocionante e sexy. Quero dizer, o que há de errado nisso?"

+++LEIA MAIS: Sharon Stone revela que tem convulsões se não dormir oito horas por noite

Para encerrar o assunto, Sharon Stone explicou como começou a investigar o próprio passado quando começou a escrever a autobiografia The Beauty of Living Twice (2021). "Foi muito libertador porque é a mesma coisa. Você não pode fazer rodeios quando está escrevendo," disse. "Você precisa sentar e escrever a verdade e não se preocupar com o que as outras pessoas pensam sobre isso."

Acho que quando você faz isso, você não pode continuar dizendo a si mesmo verdades bonitas. Você precisa confrontar as suas próprias, aquilo que é real e verdadeiro para você. E isso foi útil. Isso é sempre útil.