Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Caso Henry Borel ganhará série documental pela HBO Max

Produção será baseada no livro "Caso Henry: Morte Anunciada", da jornalista Paolla Serra

Redação Publicado em 28/09/2022, às 14h35

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
HBO Max fará série documental sobre caso Henry Borel (Foto: Reprodução)
HBO Max fará série documental sobre caso Henry Borel (Foto: Reprodução)

A HBO Max anunciou nesta terça-feira (27) que está desenvolvendo uma série documental sobre o assassinato do menino Henry Borel. O jovem de 4 anos foi morto em março de 2021 no apartamento em que morava com a mãe, Monique Medeiros, e o padastro, o vereador Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho. 

A produção, baseada no livro Caso Henry: Morte Anunciada (2021), da jornalista Paolla Serra, será desenvolvida em parceria com o portal UOL e ainda não tem previsão de estreia.

+++ LEIA MAIS: HBO Max e Discovery+ serão uma única plataforma de streaming em 2023

Cada vez mais as pessoas buscam por produções do gênero true crime no Brasil. Vimos o reflexo do interesse do público com o sucesso que foi Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez (2022) e podemos perceber que esta é uma lacuna ainda em crescimento no mercado.

Tomás Yankelevich, chefe de conteúdo da América Latina pela Warner Bros. Discovery., ainda ressaltou a necessidade de produzir séries "respeitosas em suas abordagens", considerando a sensibilidade do assunto e dos envolvidos nos fatos.

+++ LEIA MAIS: HBO Max: Ex-funcionários denunciam ética misógina em corte de equipe de desenvolvimento


Caso Henry Borel

A morte de Henry Borel aconteceu no dia 8 de março de 2021. Henry tinha 4 anos e foi assassinado no apartamento onde morava com o padrasto, o ex-vereador Dr. Jairinho, e a mãe, a professora Monique Medeiros.

Ambos são acusados pela morte do menino. Monique Medeiros estava presa, mas foi solta após habeas corpus concedido no dia 26 de agosto deste ano. Jairinho teve o pedido de soltura negado com base em elementos do processo segundo os quais ele teria agredido fisicamente a vítima, causando lesões que provocaram a morte.