Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Entretenimento / Primavera Sound

Chega junto que a gente conta tudo que rolou no Primavera Sound

Banco do Brasil apoia festival e proporciona experiências únicas aos visitantes de seus espaços

Redação Publicado em 16/12/2023, às 15h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Divulgação
Divulgação

Em 2023, o Primavera SoundSão Paulo aproximou, em um mesmo evento, públicos de diferentes estilos e gerações. De Gabriel do Borel a The Hives, de Cherolainne a The Cure, quem passou pelo festival encontrou diversidade musical. Uma celebração que ganhou o apoio do Banco do Brasil, grande apoiador de festivais, onde o cliente Ourocard tem vantagens exclusivas.

“O BB fez parte dessa experiência, desde o ingresso com pulseiras cashless, que proporcionam mais segurança e comodidade, até em um estande com ativações surpreendentes”, conta Paula Sayão, diretora de marketing e comunicação do Banco do Brasil. O resultado foi um dos espaços mais visitados do festival.

Mais que uma ativação, o estande se inspirou na sustentabilidade e na autenticidade para criar experiências únicas e aumentar ainda mais as lembranças do Primavera Sound, que, em seu segundo ano no Brasil, já se consolida como um dos maiores eventos do circuito nacional.

Dividido em três espaços principais, a marca convidou os presentes a chegarem junto e mergulharem em experiências de personalização e a repensarem a natureza a partir da moda e da arte. Logo na entrada, no espaço (Re)viva, o artista, grafiteiro e tatuador Adrien Dorme criava desenhos corporais hidrográficos exclusivos, que mimetizavam - ou mesmo dialogavam - com tatuagens nos visitantes.

A advogada Raissa Ahumada, que veio de Curitiba para curtir a ocasião, passou pela caneta de Adrien, que criou o desenho de uma flor especialmente ela, uma grande fã de Brandon Flowers, do The Killers. “Já tenho algumas tatuagens menores, mas depois de hoje vou considerar tatuar uma flor, até para lembrar do Flowers e do Killers, que gosto e acompanho desde o começo”, afirma.

Mais além, no (Re)crie, quem passava por lá recebia brindes em resíduos têxteis como shoulder bags, sacolas laváveis, power banks e cangas, além de canetas  permanentes e outros itens para deixar todos os itens com a própria cara. Foi assim que a engenheira Barbara Kohut também se inspirou na música para dar uma cara totalmente nova ao power bank que recebeu. “A gente sempre precisa de um desses na bolsa, especialmente em festival, mas esse aqui vai ser para sempre o meu favorito, com o CSS do Cansei de Ser Sexy”, garante.

Ela ainda participou de outra personalização: a da canga, que acabou adaptando para aumentar a cobertura de um boné, que a ajudou a superar o calor na casa dos 35°C no fim de semana. Para além de uma boa pedida, o upcycling do festival também foi uma causa que o Banco do Brasil apoiou no espaço Re(use), numa colaboração com a Revoada, organização que desenvolve produtos a partir de material descartado, como guarda-chuvas e pneus há uma década.

Com um stylist presente no espaço, ajudava os visitantes a repensarem seus looks, tudo devidamente registrado no local espelhado, perfeito para fotos.

E para quem queria curtir os shows, o melhor mesmo foi o mezanino, reservado para clientes BB e BB Seguros, que oferecia a melhor vista para os palcos e shows. Um modo para lá de especial de aumentar as lembranças de um fim de semana já repleto de atrações inesquecíveis.