Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

7 de setembro: D. Pedro I era um bom músico? Maestrina explica carreira de compositor do monarca

Orquestra Municipal de Jundiaí fará concerto com composições de Dom Pedro, e a maestrina Claudia Feres comentou trabalho musical do imperador

Dimitrius Vlahos Publicado em 07/09/2022, às 08h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Dom Pedro (Imagem: Simplício Rodrigues de Sá / Domínio público)
Dom Pedro (Imagem: Simplício Rodrigues de Sá / Domínio público)

Carreira pouco falada e conhecida de Dom Pedro I ganhará destaque na semana de comemoração dos 200 anos da Proclamação da Independência do Brasil. A Orquestra Sinfônica Municipal de Jundiaí fará concerto com composições do Imperador, relembrando aventuras musicais do monarca

Tendo como professor o austríaco Sigismund Neukomm, Pedro aprendeu a tocar diversos instrumentos durante a infância e começou a escrever canções simples, mas "funcionais," como descreve Claudia Feres, regente da orquestra na apresentação marcada para o sábado, 10 de setembro.

+++ LEIA MAIS: Barbados clama independência da Inglaterra após 400 anos

As composições "Credo do Imperador" e "Hino da Independência," consideradas as mais importantes por Feres, serão apresentadas: "Fiz uma breve pesquisa das obras de D. Pedro e achei que essa peça seria bastante representativa da sua música, muito bonita, vibrante e delicada ao mesmo tempo," justificou.

Dom Pedro era um bom músico e compositor?

O Imperador não era excepcional. Segundo Claudia, ele recebia diversas críticas pela simplicidade, e há boatos de que as peças não foram escritas por ele, o que não parece fazer sentido para a maestrina - justamente pela pouca complexidade e ousadia das músicas.

+++ LEIA MAIS: Pussy Riot: Nadya Tolokonnikova comenta guerra na Ucrânia e critica Putin: 'Ditador mais perigoso'

"Algumas pessoas criticam a obra de D. Pedro, como um material musical fraco. Ou dizem que não foi ele quem as escreveu e sim seu professor Sigismund Neukomm. A verdade é que D. Pedro era músico, estudava música e tocava vários instrumentos, inclusive tocando na orquestra ao lado de seus músicos. Não vejo porque ele não teria escrito essas obras. São simples, sem grande complexidade, mas bonitas e funcionam muito bem.  As obras dele são em geral hinos ou música sacra dedicada a uma situação específica," afirmou.

Como as composições se relacionam com a história?

Perguntada sobre o contexto histórico, Feres relembrou carta de Maria Leopoldina ao seu pai, Imperador da Áustria. Ao relatar sobre as sinfonias de Pedro, a Imperatriz as rotula como "teatrais por culpa do professor." Claudia completa: "A música dele é bem característica da época, mas traz esse lado um pouco operístico, dramático." 

A presença de obras de Mozart no concerto ajuda a compreender melhor o cenário musical do período. "Escolhi colocar obras de Mozart no programa por ser ele o grande compositor da época e porque o pai da Leopoldina, Imperador da Áustria, Joseph II, encomendou a Mozart a 1ª ópera em língua alemã - 'O rapto do Serralho'," explicou.

Por que trabalho de Dom Pedro não é tão conhecido?

Apesar de compor a melodia do "Hino da Independência," carreira musical de Pedro é pouco falada. Para Claudia, o propósito funcional das composições apaga um pouco do brilho, mas ela ressalta como o Imperador "valorizava a música e as artes."


O concerto da Orquestra Municipal de Jundiaí acontece no Teatro Polytheama, às 20h, no dia 10 de setembro. Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados na plataforma Sympla.