Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

'África Brasil': Livro de Kamille Viola sobre Jorge Ben ganha edição impressa

Finalista do Prêmio Jabuti de 2021, "África Brasil: Um dia Jorge Ben voou para toda a gente ver" chega na Flip

Redação Publicado em 24/11/2022, às 14h29

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Jorge Ben (Foto: Domínio Público), Capa África Brasil: Um dia Jorge Ben voou para toda a gente ver (Foto: Divulgação)
Jorge Ben (Foto: Domínio Público), Capa África Brasil: Um dia Jorge Ben voou para toda a gente ver (Foto: Divulgação)

Finalista do Prêmio Jabuti em 2021, livro África Brasil: Um dia Jorge Ben voou para toda a gentever ganhará edição impressa após concorrer na categoria Arte - ainda com a versão em ebook. Obra carrega o nome do 14º disco de estúdio do músico, África Brasil (1976) e se aproxima de uma biografia.

Livro de Kamille Viola será lançado pela Edições Sesc na Flip. No dia 25, próxima sexta, autora ainda participa de mesa com o baixista Dadi - que acompanhou Jorge e participou da composição de ÁfricaBrasil, além de outras colaborações para a música brasileira.

+++ LEIA MAIS: Jogos Olímpicos 2016: Jorge Ben Jor canta “País Tropical” com o público no Maracanã

Além das histórias da vida de Jorge até o lançamento do disco, África Brasil: Um dia Jorge Ben voou para toda a gente ver revela fatos inéditos do músico - até então escondidos, como a idade e nome completo.

Entre colaborações de Dadi, está o principal motivo da troca de Jorge Ben do violão pela guitarra, contestada por parte do público.

“A gente mora num país negro onde a maioria dos artistas era branco. O Jorge Ben sempre foi inspirador. Em vários momentos. Nem sempre só para poder trabalhar, só para usar ou cantar. Para ouvir e para viver, que é a melhor coisa. Quando eu passei a fazer música, passou a fazer parte da minha música também. Isso aí ia ser óbvio. Influência direta. Porque a gente escreve rap em português. Não tivemos aquela escola, a gente não teve acesso ao que os negros americanos falavam, a gente não sabe o que eles falavam. A gente imagina o que eles falavam. Mas o Jorge Ben, eu sei exatamente do que ele tá falando”, conta Mano Brown, fã de Jorge, em entrevista à autora.