Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Milton Nascimento lamenta morte do compositor e saxofonista Wayne Shorter

Wayne Shorter foi um dos grandes nomes do jazz e trabalhou com Milton Nascimento no disco Native Dancer

Dimitrius Vlahos Publicado em 02/03/2023, às 16h25

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Milton Nascimento e Wayne Shorter (Foto: Reprodução / Instagram)
Milton Nascimento e Wayne Shorter (Foto: Reprodução / Instagram)

Wayne Shorter morreu nesta quinta, 2, aos 89 anos. Segundo o jornal The New York Times (via G1), ele estava em um hospital em Los Angeles, nos Estados Unidos. A informação foi confirmada por Alisse Kingsley, assessor do músico. A causa da morte não foi revelada.

O músico foi um dos maiores compositores e saxofonistas do jazz. Esteve em grupos de destaque, como o Jazz Messengers, ao lado de Art Blakey, quinteto de Miles Davis nos anos 1960, e do grupo Weather Report. Além disso, com o Wayne Shorter Quartet, encantou o mundo e fez parte de uma revolução na sonoridade do gênero.

+++LEIA MAIS: Geração 1942: o que explica o talento de astros de 80 anos, de Gilberto Gil a Milton Nascimento

"Ele não é apenas um dos maiores compositores de jazz, mas também o anjo do esoterismo, um ancião iluminado e misterioso," foi assim que o jornal descreveu Wayne - responsável por compor os standards de jazz "Footprints" e "Black Nile." 

Além das lendas do jazz, Shorter trabalhou com Milton Nascimento no disco Native Dancer (1975), parceria pela qual o brasileiro agradeceu em nota de despedida do amigo e colaborador. Confira declaração completa:

"Hoje é um dos dias mais difíceis da minha vida. Dia de me despedir de parte de tudo o que eu sou.
Wayne Shorter foi - e sempre será - mais do que um parceiro musical. Desde que nos conhecemos, nunca nos separamos. Em 1975, ele me convidou para gravar o Native Dancer, e mudou a minha vida e carreira pra sempre. No ano passado, quando me apresentei em Los Angeles, ele não conseguiu ir me assistir, pois havia sofrido um acidente doméstico na noite anterior, mas dei um jeito de ir até a sua casa, e tivemos uma tarde linda, digna dos nossos tantos anos de irmandade e história. Meus sentimentos à sua esposa, Carolina, que tanto batalhou pela saúde do meu eterno irmão nos últimos anos. Ao meu amado amigo, o meu maior e eterno amor."