Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

O hit do Queen que Brian May demorou para aprender a gostar

Guitarrista não gostava da música por diversas razões, algumas delas um tanto inusitadas

Imagem O hit do Queen que Brian May demorou para aprender a gostar

A discografia do Queen é recheada de momentos distintos. Como a banda tinha uma veia experimental, seus trabalhos soam bem diferentes entre si. Por isso, é normal que fãs tenham demorado a gostar de uma ou outra música.

O mais curioso é que isso acontecia com os próprios integrantes. É o caso do guitarrista Brian May, que levou um tempo até conseguir apreciar um dos maiores hits do grupo: “Don’t Stop Me Now”.

May abordou o assunto em entrevista à Vulture. Na ocasião, ele destacou que a faixa do álbum Jazz (1978) tinha suas virtudes desde sempre, mas era “leve” demais para seu gosto.

“Quando a ouvi pela primeira vez, eu sabia que tinha uma melodia real. Mas ao lado de muitas outras coisas que estávamos fazendo, era leve e até ‘fofa’ demais.”

A letra escrita pelo saudoso vocalista Freddie Mercury também não agradava o “certinho” May. Festeira, a composição aborda basicamente o prazer de se divertir e aproveitar o momento - o que poderia soar imprudente a depender do ponto de vista.

“Há também uma indicação de imprudência lá. Na época, Freddie estava entrando em um universo diferente. Sentimos que ele poderia estar em perigo. Então eu acho que no fundo da minha mente, eu tinha um bloqueio nessa música. Eu realmente não queria que fosse lançada como single. Realmente não senti que representava o que éramos na época - provavelmente de forma injusta, porque é de fato bastante representativa.”

Brian May muda de opinião

A reação do público foi determinante para Brian May mudar sua opinião a respeito de “Don’t Stop Me Now”. O guitarrista do Queen reforçou ter demorado a apreciá-la, mas quando passou a curtir a canção, mergulhou de cabeça nela.

“Demorei muito para perceber que este é um hino magnífico à sua maneira. Isso motiva as pessoas. Isso traz alegria às pessoas, então por que eu iria atrapalhar isso? Agora eu aceito ‘Don’t Stop Me Now’ como um dos grandes hinos do Queen. Ao longo dos anos, ela subiu e chegou ao mesmo nível de ‘Bohemian Rhapsody’ e ‘Another One Bites the Dust’ como uma das músicas mais tocadas do Queen.

Por fim, o músico se aprofundou ainda mais na reação das pessoas à canção.

“Minha mente mudou quando comecei a experimentar isso nas festas. De repente, você percebe que: assim que as pessoas ouvem ‘Don't Stop Me Now’ que elas ganham vida. São incendiadas. Elas começam a sorrir. Eu só pensava: ‘oh, m#rda, essa é uma boa canção’. Além disso, egoisticamente, não havia muito que eu poderia fazer contra isso. Você precisa lidar com esse tipo de coisa quando se está em uma banda. Esta música em particular é toda sobre piano, bateria, baixo e vocais. Há apenas um pequeno ponto no meio onde a guitarra assume a linha principal. Até gosto de músicas assim, mas não senti que estava tão presente nela. Essa é provavelmente outra razão pela qual eu realmente não a levei tão a sério no começo.”

A sobrevida de “Don’t Stop Me Now”

“Don’t Stop Me Now” fez sucesso moderado à época de seu lançamento. Chegou ao 9º lugar das paradas do Reino Unido, mas obteve apenas a 86ª posição nos Estados Unidos. Também repercutiu em países como Bélgica, Alemanha e Irlanda.

Com o passar dos anos, porém, foi “redescoberta” por fãs de todo o mundo. Começou na Suécia, atingindo um aleatório 37º lugar em 2009. Em 2015, galgou a 7ª posição do ranking de Portugal. Enquanto isso, crescia ainda mais nas plataformas digitais. Até que em 2018, com o lançamento do filme Bohemian Rhapsody, voltou às paradas de mais de 10 países, como República Tcheca, Itália, Hungria e Espanha, além de listas segmentadas, em 1º lugar no  Reino Unido e 7º nos Estados Unidos. Feitos impressionantes de uma canção que já tinha 40 anos de “idade”.