Análise: para onde correm os Los Hermanos com a nova música "Corre Corre" 14 anos depois?

Faixa é a primeira composição inédita do quarteto desde o lançamento do disco ‘4’, chega na véspera da nova turnê da banda pelo Brasil

Pedro Antunes Publicado em 02/04/2019, às 15h04

None
Banda Los Hermanos formada por Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Rodrigo Barba e Bruno Medina (Foto: Caroline Bittencourt)

Queria ser um mosquitinho para estar por perto e testemunhar a reação de cada uma das pessoas (e críticos, que por vezes são pessoas, noutras, são seres desalmados) que consideravam o Los Hermanos um grupo com criatividade já esgotada e de turnês eventuais criadas para encher os bolsos de dinheiro, quando, na meia-noite de segunda, 1°, para terça-feira, saiu “Corre Corre”, a nova música criada por Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Rodrigo Barba e Bruno Medina.

O quarteto, em vias de embarcar na maior turnê deles pelo Brasil desde a anunciada pausa na carreira, com 11 shows em estádios e arenas de 10 cidades diferentes (veja todas as datas e locais no final do texto), injetou uma dose de adrenalina em corações de fãs já esmorecidos por esperar uma nova colaboração entre os quatro músicos. Restava aos fãs, até esse 2 de abril, ouvir os trabalhos solo de cada um dos Hermanos e, caso a grana em casa estivesse farta, assistir a alguma apresentação do grupo.

Música 'fresquinha'

“Corre Corre” foi gravada em três dias, em 24, 25 e 26 de março, no estúdio Cia. dos Técnicos, em Copacabana, e foi produzida pelos próprios Hermanos. Marcelo Camelo gravou voz, guitarra, congas e shake, Rodrigo Amarante foi responsável pela guitarra, garrafa e pandeirola, já Bruno Medina e Rodrigo Barba atuam, respectivamente, no teclado e bateria. Gabriel Bubu, o “quinto Hermano”, mais uma fez foi responsável pelo baixo.

Ou seja, “Corre Corre”, de letra escrita por Marcelo Camelo, é atualíssima. Sente-se também um frescor com a estética da canção, embora ela ainda habite dentro do escopo da banda, traz algo a mais, como se o balançar vagadoros de uma jangada ao mar fosse levemente alterado pelo temporal no horizonte, aproximando-se lento e, possivelmente, disperso até chegar à costa.

Urgente, graças a uma guitarra mais vigorosa, e leve, com o cantar pacato de Camelo pelas notas agudas, “Corre Corre” cria o choque entre essas duas forças distintas, a tormenta e a calmaria.

A faixa dá novo vigor à turnê dos Los Hermanos e, por sinal, reacende a esperança de um álbum cheio e inédito, para suceder 4, de 2004. 

Influênciram gerações de artistas brasileiros

Los Hermanos escancaram 15 anos depois, mas mais ainda agora, como influenciaram uma penca de artistas da música brasileira, de indies às figuras do mainstream. Isso está na forma de arranjar voz e guitarra, num diálogo respeitoso entre dois amigos, no baixo com personalidade, na bateria que se mantém certeira.

O grupo mostra sua importância artística e histórica, contudo, sem cair na fácil armadilha da repetição. “Corre Corre” não é exatamente uma continuação de 4, também não é esteticamente uma sobra de outros discos deles, do os outros três do grupo ou dos projetos individuais - embora, nas redes sociais, os mais preguiçosos liguem à canção à estética da Banda do Mar, grupo criado por Marcelo Camelo alguns anos atrás. É uma assimilação fácil, perigosa e rasa.  

Porque a nova música dos Los Hermanos soa exatamente como os quatro integrantes estão hoje. A citada urgência vem também do tesão de criar canções, ainda presente ali, mas acalmado pela experiência adquirida ao longo dos anos.

Camelo, Amarante, Barba e Medina viviam a segunda metade dos 20 anos quando soltaram 4. Hoje, acabam de chegar aos 40.

“Rodei o mundo até você se distrair/ Não tinha culpa ou direção / Ou olhos pra guiar”, canta Camelo, num verso genialmente autobiográfico e, ao mesmo tempo, universal. Depois disso, “Corre Corre” navega por outros versos agridoce de amor.

O amor agora é outro 

Mas, ao tratar de amor, os Los Hermanos entregam a maturidade adquirida com o passar do tempo. O tempo, ele mesmo, parece ter sido colocado entre os dois amantes. Anos passados, como diz a canção, amenizam a dor da cicatriz da partida.

Ao olhar para trás, “Corre Corre” entrega um sentimento de culpa já brando. “Desculpa se eu não tive fé ou forças para lutar”, diz outro verso. "Ah, fico à vontade mas você não vem
espero tanto o teu sinal / Ah, é madrugada mas não vem ninguém de longe eu vejo o temporal."

Não faria sentido os Hermanos cantarem outro amor que não esse, "sem pressa", cicatrizado, embora ainda amargo. A euforia dos hormônios se dissipou com a idade e fios de cabelos brancos.

É o Los Hermanos de 2019, afinal, não dos anos 2000. Ainda bem.

Assista ao vídeo de "Corre Corre":


Veja a letra de "Corre Corre" (por Marcelo Camelo)

Rodei o mundo até
Você se distrair
Não tinha culpa ou direção
Ou olhos pra guiar
Eu acho graça que a vida passa
A a solidão é mais
Desculpa se eu não tive fé
Ou forças pra lutar

Ah, fico à vontade mas você não vem
Espero tanto o teu sinal
Ah, é madrugada mas não vem ninguém
De longe eu vejo o temporal

Corre, corre, corre, doce é o vento que te leva
Eu não tenho mais a pressa ou horas pra contar
Pela vida solta todo meu amor com ela
Que esse azul do céu espera
Coragem pra mudar

Abaixo, as datas e locais da turnê dos Los Hermanos:

05/abril – Arena Fonte Nova, Salvador/BA
06/abril – Marina Park, Fortaleza/CE
12/abril – Centro de Convenções, Recife/PE
13/abril – Espaço Cultural, João Pessoa/PB
26/abril – Esplanada do Mineirão, Belo Horizonte/MG
27/abril – Arena Mané Garrincha, Brasília/DF
30/abril – Área Verde do Alvares Cabral, Vitória/ES
04/maio – Maracanã, Rio de Janeiro/RJ
10/maio – Pedreira Paulo Leminski, Curitiba/PR
11 e 12/maio – Pepsi On Stage, Porto Alegre/RS
18/maio – Allianz Parque, São Paulo/SP