Ash toca hits e se diverte sob céu "irlandês" de Paulínia

Bem recebido pelo público do SWU, trio faz estreia em palcos brasileiros

Pablo Miyazawa Publicado em 14/11/2011, às 18h06 - Atualizado em 16/11/2011, às 18h21

Ash se apresentou no New Stage nesta segunda, 14
Foto: Divulgação/Caroline Bittencourt

O trio Ash, da Irlanda do Norte, fez nesta segunda, 14, a primeira apresentação em solo brasileiro, no festival SWU. Liderado pelo vocalista/guitarrista/compositor Tim Wheller, 34 anos, o grupo tem trajetória digna de banda veterana. O primeiro EP, Trailer, lançado em 1994, passou batido, mas o relativo sucesso veio dois anos depois, com 1977 (uma homenagem ao ano de lançamento do filme Star Wars), que lançou hits como "Girl From Mars" e "Kung Fu". Posteriormente, a participação na trilha sonora do filme A Life Less Ordinary (estrelado por Ewan McGregor e Cameron Diaz), na qual contribuiu com a faixa-título, concedeu ao Ash ares de banda cult.

No palco New Stage do SWU, o trio (que já foi oficialmente um quarteto - a guitarrista Charlotte Hatherley deixou a banda em 2008) deu ênfase ao repertório antigo, principalmente músicas de 1977 e de Free All Angels (de 2001, que a banda recentemente reproduziu na íntegra em alguns shows pela Europa), mas deu espaço a faixas lançadas somente no formato single entre 2009 e 2010, como "Return of White Rabbit" e "Arcadia". O público, pouco numeroso e encharcado graças ao constante "chove não molha" em Paulínia, respondeu bem ao set list de meras dez canções, principalmente às melodiosas "Oh Yeah", "Walking Barefoot" e "Shining Light".

Ajudou bastante o fato de o Ash jamais ter passado perto do Brasil: o público que se amontoou próximo ao palco conhecia o repertório e interagia com entusiasmo. Demonstrando animação, Wheeler, o baixista Mark Hamilton e o baterista Rick McMurray pareciam incrédulos diante da boa resposta da plateia que pulava despreocupada por poças d'água e lama. Abrindo com seus dois principais hits - "Girl From Mars" e "A Life Less Ordinary", o grupo garantiu a atenção do público do início ao fim do curto set de 45 minutos cravados.

"Acho que estamos no festival errado. Isso aqui está me lembrando a nossa Irlanda", brincou Wheeler, se referindo ao céu carregado de nuvens cinzentas. É fato que o show do Ash teria funcionado melhor debaixo de um teto em um local mais intimista - ao ar livre e sob a constante ameaça de garoa, a energia do trio talvez tenha levemente se dissipado. "Estamos realizando dois sonhos hoje", afirmou o vocalista em certo momento. "Tocar na mesma noite que o Megadeth - sim, fomos jovens metaleiros; e fazer um show no Brasil". Sonho realizado, agora é esperar para o retorno ao país, possivelmente para shows mais longos e em locais de menor porte.

Set list:

"Girl From Mars"

"A Life Less Ordinary"

"Arcadia"

"Shining Light"

"Walking Barefoot"

"Oh Yeah"

"Kung Fu"

"Orpheus"

"Return of White Rabbit"

"Burn Baby Burn"