Assassino de Lennon tem liberdade condicional rejeitada

É a quinta vez que tribunais norte-americanos negam pedido de Mark Chapman

Da redação Publicado em 12/08/2008, às 17h20

Mark Chapman, o assassino de John Lennon, teve liberdade condicional negada pela quinta vez
AP

O pedido de liberdade condicional feito por Mark Chapman à corte norte-americana foi negado nesta terça-feira, 12. O assassino de John Lennon está preso desde 1980, e cumpre prisão perpétua.

Na última segunda-feira, 11, a imprensa norte-americana voltou seus olhos para Chapman, afirmando que ele recebia visitas íntimas anuais de sua esposa e que muitas pessoas enviaram cartas ao júri que decidiria seu futuro, pedindo para que o mantivesse o assassino preso.

Chapman assassinou John Lennon na porta de sua casa, em 1980. O norte-americano ficou obcecado com o ex-líder dos Beatles ao comparar suas letras, que pregavam amor e desprendimento material, com a vida que o roqueiro levava em Nova York, cheia de riquezas.

Mark Chapman, que tem ficha limpa desde 1994, ficará pelo menos mais dois anos na cadeia até que possa tentar a liberdade condicional novamente. Para sua segurança, o assassino vive separado de outros presidiários na cadeia.