Blues em São Paulo

Em noite inspirada, Eric Clapton desfilou boa parte de seus clássicos

Paulo Cavalcanti Publicado em 13/10/2011, às 15h18 - Atualizado às 15h56

Eric Clapton executa clássicos para 45 mil pessoas em São Paulo

Ver Galeria
(2 imagens)

O cantor e guitarrista inglês não mudou quase nada em relação aos shows que apresentou no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro. A grande diferença é que, em São Paulo, nesta quarta, 12, ele tocou no estádio do Morumbi, obviamente um local muito maior e mais afeito a espetáculos grandiloquentes. Assim, mesmo sem efeitos e apenas apoiado no virtuosismo de Clapton e seus músicos, a apresentação funcionou e agradou às 45 mil pessoas presentes no local.

Clapton subiu ao palco empunhando sua Fender Stratocaster azul precisamente às 21h. Antes dele, o cantor e guitarrista Gary Clark Jr. já tinha se encarregado da abertura, tocando por cerca de 40 minutos. Clapton abriu com a rápida “Key To The Highway” e emendou com “Tell The Truth”, da época em que fazia parte do grupo Derek and the Dominos. A primeira grande reação da plateia aconteceu quando o músico interpretou “Hoochie Coochie Man”, clássico do repertório do bluesman Muddy Waters. O blues seguiu com “Old Love” e “Tearing Us Apart”, com Clapton esbanjando técnica em seus solos.

Na sequência, o músico sentou para dar inicio ao segmento acústico do show. Empunhando a princípio um violão, ele mostrou o seu vasto conhecimento das raízes da música popular norte-americana, tocando canções com forte influência não só de blues, mas também de country, ragtime e jazz. As canções apresentadas foram “Driftin’ Blues”, “Nobody Knows You When You're Down and Out”, “Lay Down Sally” e “When Somebody Thinks You're Wonderful”. Quando Clapton deu inicio aos primeiros acordes de “Layla”, outra forte comoção aconteceu no Morumbi. Ele está tocando esse clássico do grupo Derek and the Dominos da mesma forma que em seu disco Unplugged (1992), ou seja, de uma forma mais lenta e cadenciada.

O show retornou à sua parte elétrica com Clapton novamente voltando no tempo, agora tocando “Badge”, música da época em que fazia parte do Cream, uma parceria dele com o amigo George Harrison. Então veio o momento romântico com o megahit “Wonderful Tonight”, que apesar de ser considerado brega por alguns, ainda tem muitos fãs. Depois dessa digressão pelo lado mais pop de sua carreira, Clapton caiu novamente no blues com versões estendidas para “Before You Accuse Me” (Bo Diddley) e “Little Queen of Spades” (Robert Johnson). Essas duas canções serviram para mostrar a técnica da banda de Clapton, com longos solos e improvisos não só do dono do show, mas também dos dois tecladistas, incluindo aí o veterano Chris Stainton. O baixista Willie Weeks e o baterista Steve Gadd seguravam a parte rítmica com extrema precisão.

Ao longo do show, Michelle John e Sharon White se ocuparam dos backing vocals sem ofuscar Clapton. O velho cavalo de guerra “Cocaine” levantou o estádio novamente e Clapton deixou o palco com o público na mão. Logo ele voltou acompanhado por Gary Clark Jr., que o ajudou a executar “Crossroads”, outra do bluesman Robert Johnson, um dos seus mentores musicais.

A apresentação de Clapton durou cerca de 1h40 e, mesmo sem algumas canções que eram esperadas por parte do público como “I Shot The Sheriff” e “Tears in Heaven”, foi um grande sucesso.