Bruce Willis fará ponta em Os Mercenários

Com cenas gravadas no Brasil e Gisele Itié no elenco, filme de Sylvester Stallone unirá santíssima trindade da ação em mesma cena

Da redação Publicado em 18/08/2009, às 16h56

Bruce Willis se juntou ao time dos durões de Os Mercenários, produção de Sylvester Stallone com várias cenas rodadas no estado do Rio de Janeiro e participação da atriz mexicana radicada no Brasil Gisele Itié e do lutador Rodrigo Minotauro.

O ator de Duro de Matar confirmou o papel à MTV norte-americana. Com isso, cresce o arsenal de testosterona do filme, que já conta com Jason Statham (Snatch - Porcos e Diamantes), Jet Li (Herói) e Mickey Rourke (O Lutador). A superprodução terá, ainda, ponta do governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, conhecido pela franquia O Exterminador do Futuro.

O filme tem como foco uma trupe de mercenários contratada para destronar um ditador da imaginária ilha caribenha de Corza, nação subdesenvolvida próxima a Cuba.

Willis ainda não sabe quando irá gravar suas cenas - e qual será sua função na trama. "Estou esperando uma ligação de Sly sobre quando nós vamos tentar fazer isso acontecer", disse. "Não sei nada sobre [meu personagem], não vi as páginas [do roteiro]. Mas estou animado."

Não espere mais do que alguns minutos de Willis em tela. Stallone (diretor, roteirista e estrela do longa) já está nos estágios finais da produção, que teve boa parte das filmagens alocadas na capital fluminense e no município de Mangaratiba, em abril.

Uma coisa é certa: Willis dividirá a mesma cena com Stallone e Schwarzenegger. Tomados por santíssima trindade do cinema de ação dos EUA, eles realizam sua primeira obra juntos. "Esse é o conceito. Esse é o plano", afirmou o ator, que poderá ser visto nos cinemas brasileiros em outubro, com Surrogates.

Os Mercenários chegará ao circuito nacional em maio, um mês após estrear nas salas norte-americanas. Trechos do filme serão exibidos ainda em setembro, no Festival de Cinema de Veneza, que homenageará Stallone. O ator de Rocky, que estreou na direção em 1978, com A Taberna do Inferno, foi reconhecido pelos italianos por deixar "marca notável" no cinema contemporâneo.