Cerimônia de encerramento das Olímpiadas tem como destaque grandes apresentações musicais

O evento, muito mais musical do que a abertura, teve shows de Spice Girls, Queen com Jessie J, Take That, George Michael, Madness, Liam Gallagher e One Direction, além de artistas brasileiros, entre eles Seu Jorge e Marisa Monte

Redação Publicado em 12/08/2012, às 21h20 - Atualizado em 13/08/2012, às 17h12

Geri Halliwell, das Spice Girls, no palco do encerramento das Olimpíadas de Londres

Ver Galeria
(2 imagens)

Foram pouco mais de três horas de festa em Londres para encerrar os Jogos Olímpicos de 2012. O Estádio Olímpico recebeu diversas apresentações artísticas, incluindo números de dança, circo, shows de luzes, fogos e tudo mais que poderia caber em um grande espetáculo, transmitido para o mundo todo. Tiveram mais espaço, contudo, as atrações musicais, incumbidas da função de mostrar para o mundo um pouco dos clássicos produzidos pelo rock e pop britânicos, ao mesmo tempo que apresentando artistas que são grandes lá, mas menos conhecidos no resto do globo.

Um dos momentos mais aguardados foi o reencontro das Spice Girls, grupo que após seu enorme sucesso nos anos 90, se reuniu especial e unicamente para a festa realizada neste domingo, 12. A aparição foi bem rápida, mas muito bem ensaiada. Em forma, elas entraram com um trecho de “Wannabe” e emendaram “Spice Up Your Life”. Logo depois, Liam Gallagher relembrou um grande sucesso de sua ex-banda, o Oasis, em uma performance de “Wonderwall” que deixou os fãs da finada banda com saudades.

O Muse apresentou “Survival”, a faixa escolhida como tema da competição esportiva. Mas foi "We Will Rock You", do Queen, que acabou fazendo a função de hino das torcidas. A canção também esteve na cerimônia de encerramento, interpretada por membros remanescentes do Queen ao lado de Jessie J, que ocupou o microfone que será eternamente de Freddie Mercury – cantor lembrado e exibido no telão antes da performance.

Madness, com “Our House”, Stomp, Ray Davies, Emeli Sandé (que cuidou da abertura da festa), Elbow, One Direction, Kaiser Chiefs, Annie Lennox, Pet Shop Boys e Fatboy Slim foram alguns dos outros artistas que tiveram seu espaço no apertado cronograma da festa, que acabou durando meia hora a mais do que o previsto.

George Michael foi outro cantor escolhido para ter seu momento sob os holofotes, tendo selecionado para a ocasião as faixas “Freedom” e “White Light”. O Take That se apresentou perto do fim da festa, porém, sem a presença de Robbie Williams, integrante original do grupo britânico. Três artistas da nova geração se reuniram para homenagear os Bee Gees: Jessie J, Taio Cruz e Tinie Tempah relembraram “You Should Be Dancing”.

Dois dos grupos mais consagrados da terra da rainha, foram responsáveis por momentos marcantes. Com Nick Mason na bateria, Ed Sheeran, Mike Rutheford (fundador do Genesis), e Richard Jones se juntaram para lembrar o Pink Floyd com “Wish You Were Here”. O Kaiser Chiefs homenageou o Who mais cedo, mas o próprio grupo esteve presente e encerrou a festa com um medley de canções, terminando com “My Generation”.

O Beatles esteve representando por Paul McCartney na cerimônia de abertura e foi lembrado em vários momentos. David Bowie também foi homenageado, mas deu para sentir falta de referências aos Rolling Stones.

O abraço do Brasil

Como sede dos próximos Jogos Olímpicos, o Brasil teve alguns minutos reservados durante a cerimônia. Tudo começou com Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, recebendo a bandeira das Olímpiadas como um símbolo de que agora chegou a vez do país. Em seguida, o gari/celebridade Renato Sorriso deu início à Abraço, a porção artística da participação brasileira na festa londrina, que teve direção de Cao Hamburger e Daniela Thomas.

Até Pelé, que não estava oficialmente no roteiro, esteve presente. Marisa Monte, representando Iemanjá, interpretou um trecho da “Bachiana No 5°, de Heitor Villa-Lobos. Se juntaram a ela no palco BNegão e Seu Jorge, além da modelo Alessandra Ambrósio e de Pelé. Os artistas ainda mostraram ao público as faixas “Maracatu Atômico”, de Nelson Jacobina e Jorge Mautner, “Nem Vem que Não Tem”, de Carlos Imperial, e “Aquele Abraço”, de Gilberto Gil. A performance teve ainda a representação do calçadão carioca, índios e samba.