Clarence Clemons sofreu um derrame

Ainda não há detalhes sobre a saúde do saxofonista da E Street Band, mas sabe-se que seu estado é grave

Por Andy Greene Publicado em 13/06/2011, às 14h17

Clarence Clemons em dezembro de 2010
AP

Clarence Clemons, saxofonista da E Street Band, que toca com Bruce Springsteen, sofreu um derrame. A notícia foi divulgada no último domingo, 12, pelo site de notícias 411.com, que revelou que Clemons "está em estado grave após ter sofrido um derrame em sua residência, na Flórida". Ainda não se sabe a gravidade do ocorrido.

Clemons já passou por uma série de intervenções médicas - a maioria envolvendo suas costas e joelhos - na década passada. Ele não perdeu nenhum show, mas suas condições lhe causaram grandes dores e desconforto. "A última turnê foi um inferno", contou Clemons à Rolling Stone em fevereiro. "Puro inferno." No ano passado, Clemons teve os dois joelhos reconstruídos e uma cirurgia na espinha dorsal. "O momento foi perfeito porque não interferiu com uma série de coisas que estavam acontecendo na minha vida", contou o músico. "Me tornou mais forte, e no ano passado fiz fisioterapia alguns dias por semana para entrar em forma. Estou andando melhor agora, apesar de ainda usar muletas. Mas agora estou tendo problemas nos quadris novamente. Não sei por quê."

O último show de Clemons com Springsteen e a E Street Banda foi em dezembro de 2010 no Carousel House, de Asbury, para uma transmissão especial via internet. Ele também toca em duas músicas do novo disco de Lady Gaga, Born This Way, e no mês passado tocou "Edge of Glory" ao vivo com ela no final da temporada de American Idol. Ele estava escalado para tocar o hino nacional antes do segundo jogo das finais da NBA na semana passada, mas um machucado na mão o forçou a cancelar de última hora. Clemons assistiu ao jogo ao lado de Tim Hardaway e Alonzo Mourning.

Quando a Rolling Stone falou com Clemons em fevereiro, ele disse que não havia nada que poderia tirá-lo da estrada com Springsteen e a E Street Band. "Enquanto minha boca, mãos e cérebro funcionarem, eu estarei lá tocando", ele disse. "Eu vou continuar até não estar mais aqui. É isso que me mantém vivo e me sentindo jovem e inspirado. Meu professor espiritual Sri Chinmoy me disse que meu objetivo na vida é trazer alegria e luz ao mundo, e eu não sei outra maneira melhor de fazer isso do que a que faço agora."