CSS promete inéditas em São Paulo

Banda faz show único na capital nesta quinta, 7; "Faz muito tempo que estamos ensaiando pra voltar", conta a guitarrista Ana Rezende

Por Bruna Veloso Publicado em 07/04/2011, às 16h09

CSS volta a São Paulo para show único
Divulgação

Cerca de cinco anos se passaram desde o último show do CSS - o antigo Cansei de Ser Sexy - em São Paulo, fora da programação de um festival. Nesta quinta, 7, a banda volta à cidade que a lançou ao mundo para uma única apresentação, na Clash Club, promentendo uma performance energética, como de costume, e "várias músicas inéditas", contou a guitarrista Ana Rezende, por e-mail, ao site da Rolling Stone Brasil.

Atualmente, o CSS finaliza seu terceiro disco de estúdio. O título já foi escolhido, mas não divulgado, já que o quinteto mantém os detalhes do lançamento em segredo. Sucessor de Cansei de Ser Sexy (2006) e Donkey (2008), o álbum deve sair em agosto, com a participação (ainda não confirmada oficialmente) de Bobby Gillespie, vocalista do Primal Scream.

Do Brasil, o grupo, que tem como principais compositores a vocalista Lovefoxxx e o produtor (que atualmente toca baixo na banda) Adriano Cintra, segue para a Colômbia e para uma miniturnê nos Estados Unidos.

Como é voltar a tocar em São Paulo? Tem um gosto especial, por ser a cidade-berço da banda?

Sim. Faz muito tempo que estamos ensaiando pra voltar e tocar em algum clube... Estamos bastante ansiosos.

Partiu de vocês a ideia de marcar um show na capital?

Foi, estaríamos aqui ensaiando, e a nossa equipe estava na América do Sul, pois fizemos um show em Santiago [no Lollapalooza Chile] no fim de semana passado, e nesta sexta vamos pra Bogotá. Pensamos que não poderíamos passar a semana aqui sem fazer um show.

Muitos problemas foram relatados sobre o Lollapalooza Chile, principalmente no palco Tech. Para vocês foi tranquilo?

A única coisa que a gente reparou foi que o nosso palco atrasou uma meia hora. De resto foi tudo bem tranquilo, sem problemas.

Por que demorou tanto tempo para acontecer um show de vocês aqui no Brasil fora de um festival? Desde 2006 vocês não tinham uma data sozinhos, certo?

Não surgiram muitas propostas viáveis. É muito caro trazer nosso equipamento, que fica estacionado em Londres, e os nossos agentes sempre dão prioridade para lugares tipo Estados Unidos, Europa e Japão. Nós trocamos de agente há um tempo, e a nossa nova agente sabe o quanto a gente quer fazer shows aqui.

Existe alguma lembrança curiosa de algum show do CSS em São Paulo, que tenha marcado a história da banda?

Várias. Acho que a nossa preferida é de quando tocamos num evento em homenagem ao Raul Seixas. A gente tinha que tocar quatro músicas do Raul, e escolhemos as quatro de menor duração. Todas elas eram plágio de alguma música dos anos 60, então a gente colocou uma base com o arranjo original. Acho que as pessoas se irritaram um pouco com isso. Depois o Carlinhos, um amigo que a gente chamou pra cantar junto com a Lovefoxxx no dia, esqueceu a letra e disse: "Desculpa, eu esqueci a letra. É que eu ouvi essa música pela primeira vez ontem". Nessa hora, todo mundo que estava vestido de Raul - praticamente todo mundo que estava lá - começou a vaiar muito. A gente saiu correndo do palco, e algumas horas depois, no mesmo dia, fomos fazer um show nosso no Hangar 110. Esse show do Hangar foi um dos melhores que já fizemos. Tinha uma pessoa que fazia stage dive de cabeça. Foi incrível.

Vocês disseram ao jornal Folha de S. Paulo que o novo disco tem uma "influência espanhola". Essa marca no álbum foi premeditada?

Foi uma coisa que a gente só percebeu quando terminou o disco. Nunca conceituamos nada antes... As coisas geralmente acontecem e a gente percebe só depois. Mas essa influência é uma coisa meio da nossa cabeça. Às vezes as pessoas nem percebem muito.

Vão tocar inéditas no show desta quinta?

Sim! Várias.

Dá para enxergar alguma grande diferença entre o CSS do Donkey (2008) e o CSS de hoje?

Ah, sim! Quando fizemos o Donkey, estávamos num momento de transição e também num momento exaustivo de turnê, que não acabava nunca. Esse disco nós fizemos depois de um ano de férias, e também tivemos mais de um ano pra compor e gravar. Isso tudo teve um reflexo muito grande no resultado final.

CSS em São Paulo

7 de abril

Clash Club - Rua Barra Funda, 969

R$ 60

Informações: 113661-1500 e www.clashclub.com.br