Cultura Inglesa Festival traz música britânica para São Paulo

Miles Kane e Gang of Four foram as duas atrações finais do domingo musical no Parque da Independência

Por Stella Rodrigues Publicado em 30/05/2011, às 11h37

Miles Kane, uma das atrações do Cultura Inglesa Festival

Ver Galeria
(5 imagens)

No ultimo domingo, 27, um mar de cabeças acompanhou, de graça, os shows de duas das atrações que integraram o line-up do 15º Cultura Inglesa Festival, em São Paulo. A proposta do evento era trazer um pouquinho do Reino Unido à capital paulista e, curiosamente, o local selecionado para hospedar a música da terra da rainha foi o Parque da Independência, um dos lugares mais "brasileiros" da cidade.

Uma dessas apresentações foi a do jovem de 25 anos Miles Kane, ex-vocalista do The Rascals, que atualmente segue carreira solo. Ele também tem como projeto paralelo o Last Shadow Puppets, ao lado do frontman do Arctic Monkeys, Alex Turner.

A outra, foi o lendário quarteto de pós-punk Gang of Four, que hoje em dia se apresenta com metade de seu line-up original: conta com os músicos Jon King (vocalista) e Andy Gill (guitarrista), que desde a década de 70, quando o grupo surgiu, são tidos como espinha criativa do grupo. O Gang of Four fechou o "música no parque", um dos muitos segmentos do Cultura Inglesa Festival (cinema, música e artes entre eles), que reuniu cerca de dez mil pessoas para assistir a sete shows.

Miles Kane

Ele conseguiu agradar até aos irmãos Gallagher. Liam o convidou para abrir os shows de sua nova banda, a Beady Eye, enquanto o Noel participou de seu primeiro e, até agora, único disco solo, Colour of the Trap. Se conquistar a dupla que liderava o Oasis não foi problema para ele, cativar a plateia paulistana foi tarefa fácil. Em especial a feminina, que pareceu se desmontar em gritos com o jeito arrumadinho de Miles.

Foi para mostrar o álbum citado acima, recém-lançado, que o rapaz desembarcou no país, começando sua performance, às 17h, com "Better Be Invisible". Em 50 minutos de apresentação, Miles falou bem pouco. Ele se ateve a pedir mais palmas, mais empolgação, e a agradecer em diversos momentos - sempre em inglês, evitando o clichê de aprender o "obrigado" na língua local.

Os destaques de seu show foram "Hey Bulldog", cover dos Beatles, a faixa que dá título a seu álbum, tocada em uma versão mais lenta, o mais novo single, "Rearrange", e o single que o público conheceu bem antes do álbum ser lançado, "Inhaler", escolhida para fechar o show.

Gang of Four

A apresentação durou pouco mais de uma hora, mas teve tudo que tinha que ter em uma performance do Gang of Four. Desde as dancinhas e coreografias teatrais e esquisitas do vocalista Jon King - que se movimentou para frente, para trás, correu para todos os lados e se jogou no chão diversas vezes - até um pobre micro-ondas sendo espatifado em muitos pedaços durante a performance do vocalista, que deu conta de se mexer o suficiente para não sentir frio naquele início de noite bem gelado, a ponto de terminar a apresentação de camisa aberta.

Não foram só os passos desengonçados de King que contribuíram para que o colorido do show fosse além da música tocada pelo quarteto. Já na primeira metade da apresentação, durante a execução de "Anthrax", Andy Gill despedaçou sua guitarra azul, o primeiro instrumento a ser vitimado pela banda. Aqueles deixados nas mãos de King também não tiveram sossego: ele girou o microfone pelo cabo, tirou o pedestal para dançar, trombava em tudo, de forma que todos esses objetos ou tiveram que ser substituídos ao longo do show, ou ficaram ligeiramente capengas.

A noite ainda contaria com mais momentos destruidores, como a marcação rítmica de "He'd Send in the Army" feita com um taco batendo no micro-ondas - que terminou com o já citado aparelho em pedaços, jogados para a plateia.

Ainda fizeram parte do set list "Ether", o single recente "You'll Never Pay for the Farm", pertencente ao novo disco Content, lançado em janeiro deste ano, "I Parade Myself" e "Do As I Say", que encerrou a primeiro porção, antes do bis. Este, dividido em duas partes, contou com as preferidas e mais aguardadas pela plateia: a já mencionada performance de "He'd Send in the Army" - que deixou todo mundo vidrado e fez desaparecer um pouco o incômodo causado pela microfonia que deu as caras aqui e ali, ao longo da apresentação - "Natural's Not in It", "I Love a Man in Uniform" e, para encerrar, aquela que foi pedida aos berros a noite toda, "Damaged Goods".