Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Dahmer: O Canibal Americano: Evan Peters teve medo de interpretar serial killer: "Precisei acessar lugares muito obscuros"

Evan Peters teve que estudar sobre os crimes de Jeffrey Dahmer para o papel

Redação Publicado em 29/09/2022, às 18h39

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Evan Peters como Jeffrey Dahmer (Foto: reprodução / Netflix)
Evan Peters como Jeffrey Dahmer (Foto: reprodução / Netflix)

Evan Peters viveu Jeffrey Dahmerem Dahmer: Um canibal Americano, a série é inspirada em um caso real. Quando Peters foi chamado para o papel, teve que se aprofundar no assunto e realizar pesquisas para o personagem. 

"Encontrei no YouTube alguns áudios do que parecia ser algum psicólogo entrevistando Dahmer, ou até mesmo um detetive, e [Jeffrey] conta pelo que passou. Ele fala de uma forma muito sincera, muito normal", relata, detalhando que a tranquilidade é algo que lhe causou incômodo.

Durante os assassinatos, Jeffrey costumava dopar suas vítimas e abusava de seus corpos cometendo estupro e necrofilia. Depois que suas vítimas morriam, ele dissolvia os corpos em ácido ou cortava para comer a carne.

+++LEIA MAIS: A Órfã 2: relembre a história real que inspirou o filme

Eu estava com muito medo de tudo o que ele fez, e de mergulhar nisso e comprometer-me a fazer o meu melhor no que seria com certeza uma das coisas mais difíceis da minha vida, porque eu queria que ficasse bastante autêntico. Mas, para isso, eu precisava acessar a lugares muito obscuros e ficar lá por um grande período," disse o ator em entrevista para a Netflix (via Uol Splash).

Evan conta que precisou se policiar para não se perder com as pesquisas sobre Jeffrey Dahmer. 

"Ao me perder nisso, era um desafio tentar olhar para essa pessoa que aparentemente era tão normal, mas que por baixo escondia um mundo inteiro de segredos", contou para a Netflix. "Eu li tanta coisa, vi tanta coisa que, em um certo ponto, alguém tinha que dizer: 'Ok, isso é o suficiente'", completou em entrevista para a revista Variety (via UolSplash).

True Crime não é entretenimento 

 Peter conta que ele e Ryan Murphy, diretor da série, tinham uma regra sobre nunca contar a história do ponto de vista do assassino.  

"É sobre manter a ideia fixa do porquê de estarmos contando essa história, e usar isso como um guia. Mas há tanto material sobre Dahmer que é importante soar autêntico", prossegue, alertando para que a série não pretende ser um documentário."
"Podemos brincar com níveis de naturalismo e grandes momentos televisivos voltados para o entretenimento", ele diferencia. "É quase uma escolha cena a cena, uma questão de decidir 'ok, isso aqui ele fez na vida' ou 'não, isso ele não fez, mas tudo bem, pois funciona para a história que queremos contar'."

Vítimas

Eric Perry, parente de Errol Lindsey, uma das vítimas do serial killer Jeffrey Dahmer, criticou a produção da série Dahmer: Um Canibal Americano (2022), lançada pela NetflixPerry explicou o porquê sua família é contra a ficcionalização de serial killers.

Além disso, ainda esclareceu que, uma vez que os assassinatos estão em domínio público, a produção do seriado possui obrigatoriedade em contatar as famílias das vítimas antes do lançamento.

+++ LEIA MAIS: Dahmer: O Canibal Americano - conheça o serial killer que inspirou a série

Não estou dizendo a ninguém o que assistir ou não assistir, e sei que mídias sobre crimes reais são muito populares no momento, mas se você realmente está curioso sobre as vítimas: a minha família (os Isbell's) está irritada para c*ralho com essa série. É retraumatizante, e para quê? Quantos filmes, séries e documentários precisamos?