Denzel Washington pode viver Thelonious Monk nos cinemas

O pianista, um dos mais influentes do jazz, poderá ter a história de seus últimos dias contada em longa-metragem

Redação Publicado em 13/02/2012, às 17h01 - Atualizado às 18h10

Denzel Washington
AP

O ator Denzel Washington contou nesta segunda, 13, que há a possibilidade de ele interpretar o jazzista Thelonious Monk em breve nos cinemas. Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, Washington declarou que está ansioso pela possibilidade de fazer o papel em um filme que já tem um roteiro inicial.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

"Estou falando mais a respeito [do filme], então possivelmente também estou falando de mim nele", declarou o ator, cujo filme mais recente, Protegendo o Inimigo, estreou na última sexta, 10, nos Estados Unidos, e chega ao Brasil em 9 de março.

A julgar pela idade de Washington, 57 anos, o longa-metragem sobre Monk deverá registrar os últimos anos de sua vida. Segundo relatos inclusos no documentário póstumo Thelonious Monk: Straight, No Chaser (1988), o pianista passou a sofrer de problemas mentais, como esquizofrenia e transtorno bipolar. No filme, o filho de Thelonious, T. S. Monk, chega a afirmar que o pai não o reconhecia mais na véspera de sua morte.

Thelonious Monk morreu após um infarto em 1982, passando os últimos seis anos de sua vida na casa de Pannonica de Koenigswarter, baronesa húngara e amiga pessoal do pianista. O legado musical de Monk influenciou nomes de fora do jazz como Frank Zappa, Radiohead e King Crimson, entre outros. Em vida, ele trabalhou com Miles Davis no aclamado Bags' Groove (1954) e lançou discos como Brilliant Corners (1957), considerado um dos álbuns mais influentes do jazz. Canções como "'Round Midnight", "Straight, No Chaser" e "Blue Monk" fizeram dele o segundo artista mais regravado da história do jazz (o primeiro é Duke Ellington).