Dr. John conta ter ficado surpreso com a notícia de que entraria para o Hall da Fama do Rock

Em entrevista à Rolling Stone EUA, o músico afirmou, sobre aposentadoria: “Acho adequado que eu toque até a última nota do set, caia e morra”

Por Andy Greene Publicado em 30/12/2010, às 13h44

Dr. John figura entre os nomes do Hall da Fama do Rock em 2011
AP

Malcolm John Rebennack (também conhecido como Dr. John) foi um pianista boogie-woogie que se tornou famoso nos anos 50 tocando com Joe Tex, Frankie Ford e Professor Longhair. Na década de 60, deu início a uma longa e produtiva carreira solo, lançando em 1973 o hit "Right Place Wrong Time". Nos últimos anos, Dr. John tem se dedicado às vítimas do furacão Katrina e ao vazamento de petróleo no Golfo do México.

Primeiramente, parabéns.

Obrigado. Sinto-me muito bem. Então isto significa que eu vou ficar nas paredes do Hall da Fama?

Conte sobre sua primeira reação ao saber da notícia?

Fiquei muito surpreso. Não imaginava que seria escolhido neste ano, mas pensava em Alice Cooper, e Joe Tex e Darlene Love mereciam também. Eu realmente não sabia quem seria. Pensando em mim, do jeito que as coisas são, achei que não entraria. Eu fiquei muito surpreso, foi muito gratificante. Sei que alguns amigos queridos votaram em mim, como B.B. King, Van Morrison e Keith Richards.

Você já foi à cerimônia?

Não, mas toquei na festa de abertura em Cleveland. Significou muito para mim representar Ray Charles e Fats Domino. Lembro de ter visto Johnny Cash lá. Eu sempre gostei dele porque ele lembrava meu nome de verdade. Poucas pessoas lembram. Faz muito tempo que estive no Waldorf Astoria. A última vez foi alguma coisa pra Jackie Kennedy. Eu e James Booker escrevemos uma coisa para a Jackie e para algum general ou cara que não era norte-americano. Foi tudo muito estranho... Também estou muito feliz pela Darlene. Trabalhei com ela junto a Phil Spector há muitos anos.

Você já chegou a pensar sobre seu discurso?

Nunca fiz um discurso em minha vida. Consigo falar bastante, como fiz após o Katrina e o vazamento de petróleo no Golfo do México. Mas isso será diferente, então terei que improvisar e espero fazer tudo certo.

Você está trabalhando em um novo álbum?

Eu tenho um novo disco, chamado Tribal. Ia trabalhar em um disco com Bobby Charles, mas ele acabou falecendo. Desde então eu tenho tentado atualizar algumas coisas.

Você acabou de completar 70 anos de vida. Aposentadoria passa pela sua cabeça?

Acho adequado que eu toque até a última nota do set, caia e morra. A banda não terá que tocar o bis e eles ainda serão pagos pelo show.