Duas mulheres são acusadas de fingir terem se ferido na queda do palco do Sugarland

Os promotores responsáveis estão entrando com as ações cabíveis contra as duas falsas vítimas do acidente ocorrido na Feira Estadual de Indiana

Redação Publicado em 29/12/2011, às 16h12 - Atualizado às 16h22

Sugarland
AP

A trágica queda de um palco, em agosto deste ano, na Feira Estadual de Indiana, antes da performance da banda Sugarland (foto), resultou em sete mortes e mais de 50 feridos, mas aparentemente não machucou duas mulheres da região que estão sendo processadas. Elas estão sendo acusadas de terem fingido ferimentos para faturar em cima do acidente.

Na última terça, 27, o promotor de Marion County, Terry Curry, anunciou que as residentes de Indianapolis Stephanie Murry, de 25 anos, e Sandra Hurn, de 38 anos, estão sendo processadas por terem apresentado falsas denúncias de lesões decorridas do acidente. As mulheres tentaram extorquir US$ 22.500 de fundos reservados para membros da plateia que se machucaram antes do show da banda country Sugarland na feira estadual.

Hurn e Murry, teoricamente, deram início ao seu esquema logo após o acidente fatal , mas as histórias que elas estavam contando não batiam com as de outras testemunhas que estava no local; Hurn afirmou que o Sugarland já estava no palco na hora que ele caiu, o que não é verdade.

"Eu não entendo o tipo de mentalidade de uma pessoa que olha para essas circunstâncias daquela noite e enxerga o potencial de se beneficiar financeiramente com um tipo de golpe desses", Curry disse ao The Indianapolis Star. "A maior parte de nós olharia para o que aconteceu e sentiria compaixão e o desejo de ajudar a socorrer as vítimas reais da melhor forma que pudéssemos."

A dupla agora está sendo processada por roubo, tentativa de roubo, forjamento e perjúrio. Se forem condenadas, Hurn pode pegar até 36 anos de prisão; Murry pode receber a pena de até 14 anos.