Ouça versão orquestrada de “An American Trilogy” na voz de Elvis Presley

Releitura da canção estará presente em If I Can Dream: Elvis Presley With the Royal Philharmonic Orchestra

Redação Publicado em 14/10/2015, às 14h23 - Atualizado às 18h04

Elvis Presley

Ver Galeria
(3 imagens)

Contendo uma poderosa versão de “An American Trilogy”, com acompanhamento de orquestra e a presença da guitarra de Duane Eddy, o álbum If I Can Dream: Elvis Presley With the Royal Philharmonic Orchestra colocará uma das vozes mais famosas da música combinada aos arranjos clássicos feitos pela Filarmônica Britânica. O trabalho será lançado em 30 de outubro deste ano.

80 anos de Elvis Presley: a carreira do rei em fotos.

“Esse é um álbum que ele gostaria de ter feito”, diz à Rolling Stone EUA a ex-mulher do astro, Priscilla Presley, responsável pelo espólio do artista e produtora executiva do disco. “A gravadora nunca permitiria que ele tivesse uma orquestra. E se dependesse do [empresário] Colonel Parker, seria apenas o Elvis cantando, sem banda de apoio, sem nada”.

As dez melhores covers de blues na voz do Rei.

Segundo Priscilla, o ex-marido era um grande fã de música clássica, de ópera e de cantores como Mario Lanza e Caruso. “Quando ele via uma orquestra na televisão, ele levantava e imitava o maestro, todo sério”.

Galeria: O lado gospel de Elvis Presley.

Para o repertório, foram escolhidas canções não “tão óbvias”. Alguns sucessos como "Love Me Tender" e "Burning Love" estarão ao lado de faixas menos famosas como "Steamroller Blues", de Aloha From Hawaii, Anything That's Part of You", single de 1962, "And the Grass Won't Pay No Mind", de Neil Diamond, e a gospel "How Great Thou Art". Vocais de ópera do trio italiano Il Volo reforçarão "It's Now or Never" e Michael Bublé fará um dueto em "Fever".

Músicos que interpretaram músicos em filmes e séries.

O lançamento do álbum orquestral marca um movimento do espólio Presley pela preservação do status de Elvis. Priscilla já pensa em quais músicas poderiam fazer parte de um segundo volume do disco. “Estou confusa sobre os rumos da indústria musical. Anos atrás, você não mexia com a música de um artista, não tocava, deixava ela quieta. Mas hoje os DJs estão misturando músicas e artistas. Temos que manter Elvis atual. Só estamos carregando o DNA dele e o mantendo autêntico”.