Pulse

Em Yoñlu, arte e tragédia caminham de mãos dadas

Filme conta a história do músico brasileiro que transmitiu a própria morte pela internet

Paulo Cavalcanti Publicado em 30/08/2018, às 13h32 - Atualizado às 14h27

Yonlu, the movie

Ver Galeria
(2 imagens)

Há pouco mais de doze anos, no dia 26 de julho de 2006, morreu Vinicius Gageiro Marques, de 16 anos, em Porto Alegre, cidade onde nasceu e morava, ao ingerir uma dose letal de monóxido de carbono. Vinicius vinha de uma família privilegiada, com ótimos recursos financeiros e de educação. Isso foi primordial em sua formação. O garoto prodígio morou em Paris, França, e, antes mesmo de chegar à adolescência, já falava quatro idiomas. Era dono de uma vasta cultura demonstrava grande talento em inúmeras atividades: cantava, compunha, tocava diversos instrumentos, desenhava e escrevia. O intelecto crítico e afiado de Vinicius estava muito além da pouca idade que tinha.

Ele sofria de depressão e chegou a apresentar tendências suicídas, mas Vinicius ainda conseguia levar uma vida produtiva e, por isso, a morte dele foi uma surpresa para os mais próximos. Não fosse pela ressonância que o caso teve na internet, talvez pouca gente tomasse conhecimento da dimensão da tragédia de Vinicius. O rapaz era muito ativo online, mantinha um blog e usava o pseudônimo Yoñlu quando participava de diversos fóruns. O adolescente era presença constante em fóruns sobre suicídio, discutindo motivações e estratégias. A morte dele foi comentada em tempo real por participantes de um desses fóruns, no qual Vinicius pedia dicas como se matar de uma forma rápida, limpa e indolor.

Na época, a morte de Yoñlu gerou debates intensos até fora do Brasil. Assim, quando foi anunciado há cerca de dois anos que a breve existência dele seria levada à tela grande, houve mais discussão – afinal, suicídio, especialmente se cometido por um adolescente, é um imenso tabu. Mas Yoñlu, que estreia nacionalmente nesta quinta, 30, fica livre das armadilhas que poderiam transformar a produção em algo potencialmente constrangedor e danoso.

A narrativa é toda costurada pelos rastros que Yoñlu deixou na internet, como conversas, posts em blogs, além de anotações, resenhas, ensaios, trabalhos escolares etc. O ótimo Thalles Cabral, músico e ator que encarna Vinicius/Yoñlu, se assemelha a um fantasma do garoto, tamanha é a entrega dele ao personagem. O diretor gaúcho Hique Montanari mostra uma mão sensível para tratar de um tema tão delicado, e usa de vários recursos cinematográficos para amarrar o enredo. Um dos mais interessantes são as animações baseadas nos desenhos feitos por Yoñlu. Um dos personagens do filme é o psiquiatra que cuidou do jovem, ele comenta os meandros da mente do músico.

Algo essencial é que o filme não idealiza o ato do suicídio. Yoñlu não é tratado como herói, nem mesmo como um herói trágico. Ele também não é colocado no papel de vítima. O filme se destaca ao imprimir um tom naturalista, de pura observação. Por isso a narrativa, no final, é emocionalmente fria, até mesmo distante.

Talvez o maior chamariz de Yoñlu seja mesmo a música. Ele fazia um folk que, apesar de ter influências de Nick Drake, Air, Badly Drawn Boy, Radiohead e outros, se mostrava totalmente original. As canções complementam a narrativa do longa e revelam de forma dramática o que existia na alma e mente do adolescente. Independente de o fim trágico ter sido o que chamou atenção para arte que fazia, Yoñlu era realmente talentoso. Ele talvez não estivesse muito interessado em mostrar sua música ao mundo, como fica perceptível no filme – Yoñlu criava para ele mesmo. Mas sempre teve um potencial imenso. É fácil se encantar por canções como “Tiger”, “Katie Don't Be Depressed” e “Mecânica Celeste Aplicadas”, presentes em um CD póstumo que saiu em 2007 pela Alegro Discos, e também na coletânea A Society In Which No Tear Is Shed Is Inconceivably Mediocre (2009), lançada por David Byrne através de seu selo Luaka Bop.

Assista ao trailer abaixo.

Conheça o disco A Society In Which No Tear Is Shed Is Inconceivably Mediocre.