Festival do Rio 2012: Killer Joe – Matador de Aluguel é Friedkin de sangue novo

Filme do diretor de O Exorcista conta com ótima interpretação de Matthew McConaughey

Paulo Gadioli, do Rio de Janeiro Publicado em 03/10/2012, às 13h54 - Atualizado às 14h00

Killer Joe
Reprodução

Após décadas de carreira, é comum que um diretor perca fôlego, torne-se conformado, opte pelo mais seguro. William Friedkin (O Exorcista), porém, começa a caminhar na contramão. A brutalidade, ousadia e falta de pudor vista em Killer Joe – Matador de Aluguel nos lembra do vigor que seu cinema costumava demonstrar antes de cair em um ostracismo criativo de quase 20 anos.

A trama apresenta, basicamente, uma família disfuncional que recorre a um assassino para resolver seus problemas financeiros. O tal matador de aluguel, que dá nome ao filme, é brilhantemente interpretado por Matthew McConaughey, tentando também retomar sua carreira após inúmeros deslizes que o estigmatizaram como protagonista de comédia romântica.

Em Killer Joe, porém, McConaughey prova que seu talento vai além naquele que pode ser considerado melhor papel de sua carreira. A cena em que ele tenta organizar o jantar de família mais doentio dos últimos tempos, por exemplo, é ótima para avaliar tanto o alcance do ator norte-americano quanto de seu diretor.

Conduzindo a trama está Chris, interpretado por Emile Hirsch, um jovem problemático que bola todo o desastrado plano na tentativa de saldar algumas de suas dívidas. Mesmo sendo o mais atrapalhado e aparentemente maluco, ele é o único personagem humano neste mundo de pessoas estranhas apresentado por Friedkin. As reações que os personagens, especialmente o pai e irmã de Chris, são completamente inusitadas e dão sabor ao filme.

O longa foi baseado na peça homônima de Tracy Letts, autor do roteiro, daí sua linguagem por vezes teatral. A diferença é que quando se tem alguém do calibre de Friedkin por trás destas cenas, elas tornam-se aos poucos profundas e tensas, mesmo que mostre apenas personagens conversando em um cenário estático. Inteligentes movimentos de câmera aliados à construção de cena, constantemente sombria quando Joe está em ação, tornam o filme de Friedkin sublime.

Irônico, violento e livre de qualquer moralismo, Killer Joe – Matador de Aluguel é Friedking de sangue novo, prova de que ainda temos muito a esperar do diretor.

Domingo - 07/10/2012 - Kinoplex Leblon 4 – 14h

Domingo - 07/10/2012 - Kinoplex Leblon 4 – 19h