Fiona Apple supera escândalo e faz show intenso em Miami

Cantora segue com a turnê do novo disco,The Idler Wheel..., após prisão no Texas

Alexandre Lopes, de Miami Publicado em 03/10/2012, às 12h50 - Atualizado às 13h18

Fiona Apple no palco do Jackie Gleason Theater, em Miami.

Ver Galeria
(5 imagens)

“Não existe publicidade ruim”, diz o ditado popular. Mas justificar a atenção recebida após um escândalo não é uma tarefa fácil - a não ser que a protagonista seja Fiona Apple. No dia 19 de setembro, a cantora voltou aos noticiários após ser presa por posse de haxixe e maconha, em uma cidade no Texas. Apesar de ter a fiança paga rapidamente para continuar a turnê do disco The Idler Wheel..., o fato rendeu mais algumas manchetes: acusações de abuso por parte da polícia durante sua prisão e o pedido público de desculpas aos fãs em um show em Nova Orleans. Mas ao subir ao palco do Jackie Gleason Theater no último domingo, 30, em Miami Beach, Fiona mostrou que o episódio polêmico ficou para trás.

Ao dar mais atenção às músicas de seu novo álbum (lançado em junho deste ano) e de When The Pawn... no repertório, Apple se deu o luxo de deixar de fora “Criminal” – seu maior hit - e sentar poucas vezes ao piano, concentrando-se apenas em cantar e tocar algumas percussões no centro do palco. Logicamente, os fãs devotados que lotaram o teatro para ver o show não reclamaram.

Às 20h15, o guitarrista Blake Mills subiu ao palco para iniciar o show de abertura. Integrante da banda de apoio de Fiona, o músico é dono um currículo extenso, incluindo colaborações com artistas como Norah Jones, Julian Casablancas, Band of Horses e até mesmo Kid Rock. Ao iniciar seu set de maneira intimista, acompanhado apenas da própria guitarra, Mills avisou que o baixista Sebastian Steinberg, a baterista Amy Wood e o tecladista Zac Rae subiriam ao palco ao longo das canções. A apresentação de quase 40 minutos contou com sete números, incluindo material de seu disco Break Mirrors e músicas novas, como a country "Don't Tell All Your Friends About Me".

Às 21h24 a banda voltou ao palco, desta vez com Fiona Apple. Os trajes brancos e a luz excessivamente clara ressaltavam a silhueta franzina da cantora, conferindo a ela uma aparência quase fantasmagórica. Mas contagiada pelo ritmo urgente de “Fast As You Can”, Fiona não se manteve estática e logo arriscou saltos e trejeitos erráticos segurando o pedestal do microfone. Na sequência, assumiu o piano para uma versão pesada de “On The Bound”, com maior destaque para a guitarra de Blake, que arriscava solos quando Apple não rasgava sua voz no refrão “você é tudo que eu preciso”.

O hit “Shadowboxer” veio em seguida e foi ovacionado conforme a cantora tocava as primeiras notas no piano. A canção contou com um momento catártico para o público, que cantava o refrão em coro. O entusiasmo da plateia foi emendado em outra faixa preferida dos fãs: “Paper Bag”. A partir daí, eram recorrentes gritos exagerados como “você é linda” e “Fiona, eu te amo” durante as músicas.

“Sleep to Dream” surgiu calma, mas aos poucos preparou o clima para que Fiona desse início aos seus momentos performáticos, com espasmos e movimentos frenéticos enquanto permanecia sentada no chão. A singela “Extraordinary Machine” veio em seguida, como se aparecesse estrategicamente no setlist para aquietar os ânimos da cantora.

Mas a calmaria não durou muito; o caráter quase psicótico de Fiona voltou à tona após uma interpretação intensa de “I Know”. Ajoelhada e de cabeça baixa, a cantora introduziu “Tymps (the Sick in the Head Song)” trocando berros instigantes com seu baixista. Ao vivo, a canção ganhou uma versão estendida com um crescendo que serviu de trilha para mais uma “sessão de descarrego” da artista, que quase desmontou um pedestal enquanto era refém da própria agitação. Na sequência, veio a serena “Every Single Night” - mais um número calmo para sossegar os nervos.

“Not About Love” foi o ponto alto da apresentação. Tocada com um peso que ressaltou as pausas repentinas da composição, o suspense logo deu lugar a pequenas improvisações, que foram a deixa para que a guitarra de Mills brilhasse à vontade.

Depois do momento mais roqueiro da noite, o tranquilo cover de “It’s Only Make Believe” (de Conway Twitty) surgiu em clima de redenção. Ao final, Apple foi ao microfone para se despedir do público, sem bis. “Muito obrigada, tivemos uma noite maravilhosa.” Saiu saltitando do palco rumo aos bastidores, como se encarnasse uma bailarina desengonçada.

Veja abaixo o set list da apresentação:

“Fast As You Can”

“On The Bound”

“Shadowboxer”

“Paper Bag”

“Anything We Want”

“Get Gone”

“Periphery”

“Sleep To Dream”

“Extraordinary Machine”

“Werewolf”

“Left Alone”

“I Know”

“Tymps”

“Every Single Night”

“Daredevil”

“Not About Love”

“It’s Only Make Believe”