Furtos e roubos continuam ocorrendo na Cidade do Rock

Até 0h25 deste domingo, 25, 50 boletins de ocorrência foram registrados no local onde acontece o Rock in Rio; fila de entrada é onde mais acontecem roubos

Patrícia Colombo, do Rio de Janeiro Publicado em 25/09/2011, às 14h13 - Atualizado às 14h53

Público se aglomera na mal escoada saída da Cidade do Rock
Carolina Vianna

O policiamento do Rock in Rio teve sua organização alterada neste sábado, 24. A segurança do festival foi intensificada por conta de roubos nas imediações da Cidade do Rock, onde o festival está sendo realizado, e furtos na área interna do evento, todos registrados nesta sexta, 23, durante o primeiro dia.

De acordo com comunicado divulgado no final da tarde deste sábado, 24, a segurança interna da Cidade do Rock foi ampliada em 15% (sem número de funcionários informado) pela empresa Prossegur. Na área externa, a polícia militar informou que o contingente foi aumentado em 50% desde que os primeiros incidentes foram sendo relatados na sexta, 23. O Coronel Cristiano Luiz Gaspar, do 31° Batalhão da Polícia Militar, informou à Rolling Stone Brasil, no entanto, que este aumento em 50% não se trata de um maior número de homens trabalhando, mas de uma realocação dos policiais em atuação - em torno de 300 (a mesma quantidade da sexta-feira, 23).

“Policiais que estavam distribuídos em locais onde houve menos incidência criminal para locais onde houve maior índice criminal e tumulto. Houve um aumento de até 50% no efetivo dos policiais para determinados logradouros. Em alguns pontos onde ontem tínhamos 12 policiais, hoje chegou até a 18. Vai de acordo com a necessidade”, informa. Quando questionado se tal medida não contribuiria para, inevitavelmente, aumentar o índice criminal nos locais onde quase não foram registrados incidentes (já que o policiamento em tais pontos seria enfraquecido), Coronel Gaspar respondeu que “não, foi verificado em tais pontos que realmente não haveria um aumento”.

Na sexta, 23, foram registrados pela polícia 116 ocorrências de roubo e furto, dentro e fora da Cidade do Rock. Com base em relatos, boa parte dos roubos aconteceu na fila para a entrada (a cerca de 1 km Cidade do Rock), enquanto as pessoas ainda estavam chegando ao local – o que aconteceu do lado de dentro é considerado furto (sem violência). De acordo com o comunicado citado acima, os incidentes foram identificados e contornados pela Polícia Militar e Polícia Militar do Rio de Janeiro e pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). Até a 00h25 deste domingo, 25, a polícia registrou cerca de 50 boletins de ocorrência. Segundo os policiais, a maior parte dos incidentes aconteceu dentro da Cidade do Rock, que diariamente está recebendo 100 mil pessoas.

A segurança interna do evento está sendo realizada pela empresa Prosegur e os empregados estão circulando pelo espaço do festival. Como forma de auxiliar no trabalho, a Polícia Militar, a Polícia Federal e Guarda Municipal do Rio de Janeiro, desde este sábado, 24, têm alguns de seus homens dentro da Cidade do Rock, fazendo ronda. “Esse é um evento particular, então os órgãos públicos trabalham do muro para fora, mas houve uma determinação do desembargador Antonio Jayme Boente para que a Guarda Municipal e outros órgãos de segurança pública do estado e federal participassem também da segurança interna”, disse o comandante Henrique Lima de Castro Saraiva. “É uma forma de ajudar o evento e dar sensação de segurança para as pessoas que vêm ao evento.”

Ao todo, são 480 policiais da Guarda Municipal em ação (20 deles circulando pela Cidade do Rock; 460 ficam do lado de fora cuidando da questão do ordenamento público, fiscalizando venda de produtos irregulares, etc). Tanto a Polícia Militar quanto a Guarda Municipal afirmam que o número de ocorrências do sábado, 24, ao que tudo indica, será menor que o registrado na noite anterior.