Pulse

Globo de Ouro 2017: La La Land – Cantando Estações domina e bate recorde com sete prêmios

Premiação contou com homenagens a Meryl Streep, Carrie Fisher e Debbie Reynolds e bons desempenhos de The Crown, Atlanta e The Night Manager

Redação Publicado em 09/01/2017, às 02h54 - Atualizado às 16h13

Emma Stone e Ryan Gosling, de La La Land, no Globo de Ouro 2017

Ver Galeria
(3 imagens)

Aconteceu na noite do último domingo, 8, a 74ª edição anual do Globo de Ouro, em Los Angeles, nos Estados Unidos. A premiação, que inclui categorias tanto de filmes quanto de séries, foi dominada pelo musical La La Land – Cantando Estações, que já era líder de indicações e ganhou tudo a que concorreu, levando sete prêmios e batendo o recorde de estatuetas para um longa em uma mesma edição da cerimônia.

O tom da noite, aliás, parecia ser anunciado já na elogiada abertura do apresentador e anfitrião do Globo de Ouro de 2017, Jimmy Fallon: uma ousada e divertida paródia justamente de La La Land com diversos dos indicados a prêmios. As crianças protagonistas da série Stranger Things – incluindo um rap da atriz Mille B. Brown –, como sempre, arrancaram risadas, assim como as interações entre Fallon e o cantor Justin Timberlake.

Fallon, contudo, levou uma abordagem levemente mais ácida ao discurso de abertura. “[O Globo de Ouro é] Um dos únicos lugares nos Estados Unidos em que ainda acreditam no voto popular”, disse ele, referindo-se à recente eleição no país – na qual Donald Trump sagrou-se vencedor – e à Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, responsável pelos prêmios.

O apresentador também citou o filme Florence: Quem é Essa Mulher?, no qual Meryl Streep interpreta a pior cantora de ópera do mundo. “Ela vai cantar na posse do novo presidente”, provocou. Fallon até falou do Rei Joffrey, de Game of Thrones, comparando-o a Trump: “Muitas pessoas imaginaram como seria se Joffrey tivesse vivido. Bem, dentro de 12 dias nós descobriremos.”

La La Land – Cantando Estações domina os prêmios de cinema

O segmento dedicado ao cinema do Globo de Ouro teve um nome: La La Land. Além de consagrar os protagonistas Ryan Gosling e Emma Stone nas categorias de atuação, Damien Chazelle levou como Roteiro e Diretor, e Justin Hurwitz faturou Trilha Sonora Original e Canção Original (por “City Stars”). La La Land ganhou também Melhor Filme de Comédia ou Musical – ou basicamente, tudo a que concorreu. O desempenho, apesar de não influenciar diretamente, é clara indicação da força com que o musical chega ao próximo Oscar.

Chazelle, que colecionou sozinho dois prêmios na noite e tem Whiplash (2015) no currículo, não tem mais que 31 anos. “Dançarinos, cantores, atores, vocês fizeram meu sonho virar realidade todos os dias no set de filmagens”, disse ele, emocionado, ao receber o prêmio de Roteiro. Emma Stone também citou o cineasta no discurso: “Obrigado por se arriscarem com essa ideia de Damien de querer fazer um musical amalucado.”

Falando sobre o longa, emocionada, Emma disse que La La Land era “para sonhadores”. “Acho que esperança e criatividade são duas das coisas mais importantes do mundo e esse filme é sobre isso”, seguiu. “Qualquer pessoa que tenha tido uma porta fechada na cara e tenha pensando em de existir – e que conseguiu levantar e seguir em frente –, eu compartilho isso com vocês.”

Já Gosling agradeceu e dedicou o prêmio de Melhor Ator em Filme de Comédia ou Musical à esposa, que além de criar a filha do casal, perdeu um irmão com câncer enquanto o ator rodava o longa. “Sem ela, eu não teria essa experiência, seria outra pessoa, e não eu, aqui em cima”, revelou Gosling, que também dedicou a honraria à memória falecido cunhado.

Na subcategoria de Drama dos prêmios de cinema, Manchester À Beira-Mar rivalizou com Fences e Animais Noturnos. O primeiro deles ficou com Melhor Ator – com Casey Affleck desbancando Denzel Washington – enquanto o segundo ganhou em Melhor Atriz Coadjuvante – com uma inspiradora Viola Davis – e o terceiro em Melhor Ator Coadjuvante – com a zebra Aaron Taylor-Johnson.

Mas o mais esperado e derradeiro prêmio da noite não foi entregue a nenhum deles. Moonlight, dirigido por Barry Jenkins, faturou a almejada categoria Melhor Filme de Drama e confirmou a condição de um dos favoritos ao Oscar. “A todos que estão no Twitter, em Miami ou Nova Orleans, se vocês não viram o filme, contem aos seus amigos e espalhem para mais amigos”, disse Jenkins no palco.

Entre os outros prêmios direcionados a produções cinematográficas, destacaram-se Zootopia, como Filme de Animação, e Elle, como Filme Estrangeiro. Francês, Elle também rendeu a uma eufórica Isabelle Huppert, de maneira curiosa, o prêmio de Melhor Atriz em Filme de Drama. “Meu coração está batendo, vocês conseguem entender o que está acontecendo aqui?”, disse ela, ofegante, ao receber a honraria das mãos de Leonardo DiCaprio.

Atlanta surpreende e Game of Thrones é preterida

A seção de séries e produções televisivas do Globo de Ouro deste ano teve diversas novidades e apenas uma produção consagrada no último Emmy ganhou prêmio. Trata-se de People v. O.J. Simpson: American Crime Story, grande vencedora da premiação televisiva mais recente, que acabou o Globo de Ouro com duas conquistas: melhores atriz (Sarah Paulson) e série limitada ou filme para a TV.

A minissérie The Night Manager, por sua vez, angariou três prêmios de atuação. Tom Hiddleston foi Melhor Ator, Olivia Colman, Melhor Atriz Coadjuvante, e o piadista Hugh Laurie levou por Melhor Ator Coadjuvante. E não seria exagero dizer que Laurie fez mais a plateia rir do que o apagado Fallon. “Achei que este seria o último Globo de Ouro”, atirou, ao microfone. “Não quero ser chato nem nada, mas é que tem escrito ‘estrangeiro’ [referência à associação de críticos que julga os prêmios] na estatueta.”

De maneira inesperada, mas não imprevisível, um único nome deu liga aos nomes “comédia” e “televisão” na noite de domingo, 8. Donald Glover – que também é Childish Gambino, o rapper por trás do incensado e recente disco Awaken, My Love – viu a série criada e protagonizada por ele, Atlanta, já faturar dois prêmios em seu ano de estreia. Além de Melhor Série de Comédia, a produção teve com Glover o Melhor Ator em Série de Comédia.

“Queria agradecer à cidade de Atlanta e aos negros que sobrevivem em Atlanta, por estarem vivos e serem pessoas maravilhosas”, lembrou ele em um dos discursos, admitindo que “não pensava que as pessoas realmente fossem gostar da série”. A cidade norte-americana que dá nome à produção da FX é frequentemente palco de manifestações e protestos contra a violência policial e a morte de negros.

The Night Manager e Atlanta certamente se estabeleceram com os prêmios colecionados, mas outra série, esta da Netflix, também brilhou ao bater a favorita Game of Thrones, recordista histórica no Emmy. The Crown não só foi eleita a Melhor Série de Drama como também teve a Melhor Atriz em Série de Drama, Claire Foy, que deu vida à rainha Elizabeth II. “Eu realmente não estaria aqui se não fosse por uma mulher: Elizabeth, gostaria de agradecê-la”, Claire reverenciou, ao receber a estatueta.

Outra surpresa no segmento televisivo foi Billy Bob Thornton, Melhor Ator em Série de Drama, inesperadamente batendo o favorito Rami Malek (Mr. Robot) e outros nomes fortes, como Bob Odenkirk (Better Call Saul), pelo trabalho em Goliath. Já Tracee Ellis Ross, de Black-ish, foi a primeira mulher negra a ganhar a categoria de Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical em mais de três décadas.

Rainhas do cinema homenageadas

Três atrizes extremamente influentes de Hollywood foram escolhidas pelo Globo de Ouro para serem homenageadas em 2017. Foram elas as finadas Carrie Fisher e Debbie Reynolds, filha e mãe, respectivamente, e a recordista na história da premiação, Meryl Streep. As duas primeiras, mortas tragicamente no fim do ano passado, foram lembradas por meio de um emotivo vídeo, que, entre outras cenas, mostrou-as em ação em Star Wars (Carrie) e Cantando na Chuva (Debbie).

Meryl Streep, que detém oito prêmios e 29 indicações no Globo de Ouro, foi ao microfone ser glorificada pela carreira cinematográfica depois de uma introdução inflamada de outra mestra do cinema, Viola Davis. Ela levou muitos dos presentes às lágrimas e também criticou diretamente o próximo presidente norte-americano no discurso proferido de voz rouca e prontamente venerado nas redes sociais.

Ela começou defendendo a liberdade e o respeito à imprensa e se referiu a um episódio recente em que Trump fez piada com um jornalista deficiente: “A violência incita a violência. O desrespeito gera o desrespeito. Se alguém usa sua posição para fazer bullying, todos nós perdemos”. “Peço que ajudemos a proteger os jornalistas, porque precisamos deles mais do que nunca”, acrescentou.

Meryl também foi incisiva ao tratar de estrangeiros, alvos de Trump, que prometeu construir um muro entre Estados Unidos e México e deportar três milhões de imigrantes. “O que é Hollywood senão um monte de gente de vários lugares?”, disse, antes de citar as origens diversas de alguns atores ali presentes e de proferir o gancho mais marcante de toda a fala: “Hollywood está repleta de forasteiros e estrangeiros, e se você nos mandar embora, você não terá nada para assistir, exceto futebol e MMA, que não são arte.”

A atriz foi agraciada com o prêmio nomeado Cecil B. DeMille, honrando o conjunto da obra dela, e encerrou um dos momentos mais intensos do Globo de Ouro de 2017 também recordando Carrie Fisher. “[Ser atriz] É como minha amiga Princesa Leia me disse certa vez: 'Pegue seu sofrimento e transforme-o em arte'.”

Abaixo, veja a lista completa de vencedores do Globo de Ouro de 2017.

Melhor Filme de Drama

Até o Último Homem

A Qualquer Custo

Lion

Manchester À Beira-Mar

Moonlight

Melhor Filme de Comédia ou Musical

20th Century Women

Deadpool

Florence: Quem é Essa Mulher?

La La Land: Cantando Estações

Sing Street

Melhor Filme de Animação

Strings

Moana: Um Mar de Aventuras

My Life as a Zucchini

Sing: Quem Canta Seus Males Espanta

Zootopia

Melhor Ator em Filme de Drama

Casey Affleck, Manchester À Beira-Mar

Joel Edgerton, Loving

Andrew Garfield, Até o Último Homem

Viggo Mortensen, Capitão Fantástico?

Denzel Washington, Fences

Melhor Atriz em Filme de Drama

Isabelle Huppert, Elle

Natalie Portman, Jackie

Ruth Negga, Loving

Amy Adams, A Chegada

Jessica Chastain, Miss Sloane

Melhor Ator em Filme de Comédia ou Musical

Colin Farrell, O Lagosta

Ryan Gosling, La La Land: Cantando Estações

Hugh Grant, Florence: Quem é Essa Mulher?

Jonah Hill, Cães de Guerra

Ryan Reynolds, Deadpool

Melhor Atriz em Filme de Comédia ou Musical

Annette Bening, 20th Century Women

Lily Collins, Rules Don’t Apply

Hailee Steinfeld, The Edge of Seventeen

Emma Stone, La La Land: Cantando Estações

Meryl Streep, Florence: Quem é Essa Mulher?

Melhor Ator Coadjuvante em Filme

Mahershala Ali, Moonlight

Jeff Bridges, A Qualquer Custo

Simon Helberg, Florence: Quem é Essa Mulher?

Dev Patel, Lion

Aaron Taylor Johnson, Animais Noturnos

Melhor Atriz Coadjuvante em Filme

Viola Davis, Fences

Naomie Harris, Moonlight

Nicole Kidman, Lion

Octavia Spencer, Estrelas Além do Tempo

Michelle Williams, Manchester À Beira-Mar

Melhor Diretor de Filme

Damien Chazelle, La La Land: Cantando Estações

Tom Ford, Animais Noturnos

Mel Gibson, Até o Último Homem

Barry Jenkins, Moonlight

Kenneth Lonergan, Manchester À Beira-Mar

Melhor Roteiro de Filme

Damien Chazelle, La La Land: Cantando Estações

Tom Ford, Animais Noturnos

Barry Jenkins, Moonlight

Kenneth Lonergan, Manchester À Beira-Mar

Taylor Sheridan, A Qualquer Custo

Melhor Trilha Sonora Original de Filme

Moonlight

La La Land: Cantando Estações

A Chegada

Lion

Estrelas Além do Tempo

Melhor Filme Estrangeiro

Divines

Elle

Neruda

O Apartamento

Toni Erdmann

Melhor Canção Original de Filme

“Can’t Stop the Feeling”, Trolls

“City of Stars”, La La Land: Cantando Estações

“Faith”, Sing: Quem Canta Seus Males Espanta

“Gold”, Ouro e Cobiça

“How Far I’ll Go”, Moana: Um Mar de Aventuras

Melhor Série de Drama

The Crown

Game of Thrones

Stranger Things

This Is Us

Westworld

Melhor Série de Comédia ou Musical

Atlanta

Blackish

Mozart in the Jungle

Transparent

Veep

Melhor Ator em Série de Comédia ou Musical

Anthony Anderson, Black-ish

Gael Garcia Bernal, Mozart in the Jungle

Donald Glover, Atlanta

Nick Nolte, Graves

Jeffrey Tambor, Transparent

Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical

Rachel Bloom, My Crazy Ex-Girlfriend

Julia Louis-Dreyfus, Veep

Sarah Jessica Parker, Divorce

Issa Rae, Insecure

Gina Rodriguez, Jane the Virgin

Tracee Ellis Ross, Black-ish

Melhor Ator em Série de Drama

Rami Malek, Mr. Robot

Billy Bob Thornton, Goliath

Bob Odenkirk, Better Call Saul

Matthew Rhys, The Americans

Liev Schreiber, Ray Donovan

Melhor Atriz em Série de Drama

Caitriona Balfe, Outlander

Claire Foy, The Crown

Keri Russell, Americans

Winona Ryder, Stranger Things

Evan Rachel Wood, Westworld

Melhor Ator em Série Limitada

Riz Ahmed, The Night Of

Bryan Cranston, All the Way

John Turturro, The Night Of

Tom Hiddleston, The Night Manager

Courtney B. Vance, The People v. OJ Simpson

Melhor Atriz em Série Limitada

Felicity Huffman, American Crime

Riley Keough, The Girlfriend Experience

Sarah Paulson, People v. O.J. Simpson

Charlotte Rampling, London Spy

Kerry Washington, Confirmation

Melhor Ator Coadjuvante em Série

Sterling K. Brown, People v. O.J. Simpson

Hugh Laurie, The Night Manager

John Lithgow, The Crown

Christian Slater, Mr. Robot

John Travolta, The People v. O.J. Simpson

Melhor Atriz Coadjuvante em Série

Olivia Colman, The Night Manager

Lena Headey, Game of Thrones

Chrissy Metz, This Is Us

Mandy Moore, This Is Us

Thandie Newton, Westworld

Melhor Série Limitada ou Filme Feito para a TV

American Crime

The Dresser

The Night Manager

The Night Of

The People vs. OJ Simpson