Guitarras protagonizam a segunda noite do Converse Rubber Tracks Live Brasil, que teve Brand New e Minus the Bear

Vespas Mandarinas e Coyotes completaram a noite dedicada ao rock and roll, nesta quinta-feira, 31

Redação Publicado em 01/08/2014, às 09h04 - Atualizado às 15h55

Brand New

Ver Galeria
(9 imagens)

Guitarras, muitas guitarras. A segunda noite do festival Converse Rubber Tracks Live Brasil trouxe os instrumentos de volta ao lugar de destaque no Cine Joia, em São Paulo, na noite desta quinta-feira, 31. Brand New, Minus the Bear e as brasileiras Vespas Mandarinas e Coyotes colocaram o peso das distorções na trilha sonora da segunda noite do evento.

Uma seleção com as mais polêmicas, absurdas e ultrajantes autobiografias do rock.

A banda que abriu a noite já mandou o recado, sem precisar ser explícito ao microfone. Às 22h, quando subiu ao palco, o trio paulistano Coyotes levou um guitarrista a mais para traduzir, ao vivo, o peso mostrado no EP de estreia do grupo, lançado no final de 2013 e que leva o nome da banda. Os mais novos da noite, Júlio Cardoso (voz e guitarra), Felipe Saraiva (baixo) e Mag Ramos (bateria) mostraram um som de gente grande. Rock brasileiro, com letras em português sem medo, camadas de guitarra e energia no palco. “Viver em Paz”, “O Sol” e “Augustina” fizeram parte do repertório.

“Cobra de Vidro” abriu a apresentação seguinte, com o Vespas Mandarinas. Mais experientes, os integrantes mostraram domínio do público e palco. Conforme variavam entre vocalistas, com Thadeu Meneghini e Chuck Hipolitho, o grupo soube acelerar e desacelerar a performance.

“A Prova”, uma parceria com o ex-Titãs Arnaldo Antunes, foi o grande destaque ao lado de “Santa Sampa”. As faixas exemplificaram bem a capacidade do grupo para variar peso e leveza na medida certa, sem cair na vala comum das canções de rock de amor. “Que Esse Dia Seja Meu”, outra parceria, desta vez com Marcelo Yuka (ex-integrante d’O Rappa) mostra a maturidade do grupo que lançou o disco Animal Nacional em 2013.

Atrações internacionais

Estreando em palcos brasileiros, o Minus the Bear contou com grande participação do público quando a noite de quinta já havia se despedido e começava a madrugada da sexta, 1º. Jake Snider (guitarra e voz), Dave Knudson (guitarra), Cory Murchy (baixo), Erin Tate (bateria) e Alex Rose (teclado) fizeram uma apresentação bem mais pesada do que se ouve nos discos da banda.

Ao vivo, “Steel and Blood”, primeira música do mais recente disco completo de inéditas, Infinity Overhead, de 2012, é uma pancada sonora. As distorções e vocais fulminantes caíram como uma luva no tema da noite – cuja proposta era deixar as guitarras em evidência. O mesmo aconteceu com “My Time” (do disco Omni, de 2010), que deixou os teclados para segundo plano, enquanto o vocalista Jake Snider fazia todo o esforço possível, com as cordas vocais, para compensar a longa espera dos fãs por uma performance por aqui. Justamente (e talvez) por isso, o set list incluiu faixas dos primeiros discos do grupo, como “The Fix”, “Drilling” e “Pachuca Sunrise”, todas de Menos el Oso, lançado em 2005.

Artistas elegem os riffs mais marcantes do rock internacional.

Quando o assunto é fazer as guitarras gritarem com o peso da distorção, a última atração da noite, a banda norte-americana Brand New, é especialista. Jesse Lacey e companhia são fúria em estado puro no palco. “Sink”, “Gasoline” e “At the Botton”, todas do mais recente discos deles, Daisy (2009), funcionam como a união de gasolina e um fósforo aceso: combustão pura. Nada melhor para encerrar a noite na qual a guitarra foi colocada no devido lugar.

Veja a programação do festival Converse Rubber Tracks Live Brasil:

1º de agosto

Busta Rhymes, Chet Faker, Don L e Nego E

2 de agosto

Dinosaur Jr., F*cked Up, Single Parents e Churrasco Elétrico

3 de Agosto

Clutch, The Sword, DLC e Marguerbes