Janis Joplin morreu há 40 anos

Cantora, uma das maiores vozes feminina do rock, sofreu uma overdose em 1970

Da redação Publicado em 04/10/2010, às 14h23

40 anos após sua morte, Janis Joplin figura até hoje como uma das maiores artistas de todos os tempos
AP

Conseguir se destacar em um meio musical predominado por homens em plena década de 60 não é para qualquer uma. Mas Janis Joplin foi além. Tornou-se inspiração para milhares de mulheres interessadas em soltar a voz no rock 'n' roll e perpetuou seu grito rasgado e intenso, tornando-se uma das maiores figuras femininas do gênero musical até hoje. O talento da cantora, infelizmente, se foi cedo: ela morreu há exatas quatro décadas, aos 27 anos, em 4 de outubro de 1970.

Clique aqui para ler um trecho da reportagem de capa da Rolling Stone sobre a morte de Janis, publicada em outubro de 1970.

Janis Lyn Joplin nasceu em 19 de janeiro de 1943, em Port Arthur, no Texas, e desde mais nova já mostrava duas características que lhe acompanhariam pelo resto de sua vida: o amor por música e seu engajamento social. Quando adolescente, posicionou-se a favor da integração dos negros na sociedade, no auge da tensão racial vivida nos Estados Unidos, sobretudo no conservador estado sulista. Entre suas paixões musicais estavam o jazz, o folk e o blues - este último seu favorito, tendo ela se inspirado na musa Bessie Smith e no pioneiro Leadbelly. Joplin começou cantando em pequenas cafeterias no Texas.

Em sua trajetória, junto à relação com a música, vinha seu envolvimento com a cultura beat dos anos 50. Janis também integrou o movimento hippie, que, nos anos 60, deu mais cores à contracultura dos beatniks, contestando os padrões instituídos e posicionando-se a favor de mudanças, fossem elas direcionadas ao pensamento da sociedade (visto pela juventude como retrógrado), fossem com relação ao fim da guerra no Vietnã.

Em 1966, a cantora entrou no grupo de rock psicodélico Big Brother and the Holding Company, que no mesmo ano assinou com a gravadora Mainstream Records. Em 1967, a banda lançou um álbum homônimo e no ano seguinte Cheap Thrills, cuja tracklist trazia os hits "Piece of My Heart" e "Summertime" (canção composta por George Gershwin, que já havia sido gravada por nomes de peso como Billie Holiday, Ella Fitzgerald, Louis Armstrong e Sam Cooke). Em 1969, saiu da Big Brother e formou a Kozmic Blues Band, lançando I Got Dem Ol' Kozmic Blues Again Mama!, disco influenciado pelo seu amor pelo R&B característico dos artistas da gravadora Stax. Entre os momentos mais marcantes de sua carreira, claro, está a apresentação no festival Woodstock, no ano de 1969, que não só contou gigantes da música (como Joan Baez, Santana, Grateful Dead, Creedence Clearwater Revival, Sly & the Family Stone, Jefferson Airplane e Jimi Hendrix, entre outros), como reuniu ali, na cidade de Bethel, todo um conjunto de fatores que caracterizavam o "paz e amor" do movimento hippie.

Em fevereiro de 1970, Janis veio ao Brasil a fim de tentar se recuperar de seu vício em drogas e álcool, passando o carnaval no Rio de Janeiro ao lado de amigos - em seu retorno aos Estados Unidos, contudo, ela voltou a abusar de substâncias ilícitas. Com o fim da Kozmic Blues Band, formou outro grupo, o Full Tilt Boogie Band, com o qual passou a fazer suas turnês. Ainda em 1970, gravou Pearl, que teve lançamento póstumo, no ano de 1971, já que a artista morreu de overdose de heroína em outubro, em Los Angeles, pouco tempo depois do início das gravações.

Clique aqui para ler um trecho da reportagem de capa da Rolling Stone sobre a morte de Janis, publicada em outubro de 1970. Você confere o texto na íntegra na edição deste mês da Rolling Stone Brasil.

Relembre a voz de Janis nos vídeos abaixo: