Há um ano, o mundo perdia Steve Jobs

Antigo presidente da Apple morreu de parada respiratória após longa batalha contra o câncer

redação Publicado em 05/10/2012, às 10h02 - Atualizado em 21/10/2012, às 16h25

Steve Jobs
AP

As apresentações da empresa de tecnologia Apple nunca mais foram as mesmas desde aquele 5 de outubro de 2011. Foi na madrugada de uma quarta-feira que Steve Jobs, então com 56 anos, morreu vítima de uma parada respiratória provocada por um câncer no pâncreas.

Relembrando Steve Jobs

Jobs criou a Apple Inc. no fim dos anos 70, ao lado do companheiro Steve Wozniak. Depois de uma saída da empresa em 1985, Jobs voltou para a Apple em 1996, quando a empresa da maçã comprou a companhia NeXT Computer, criada pelo próprio Jobs.

E, desde então, ele se manteve na empresa que criou até agosto do ano passado, quando precisou deixar as responsabilidades de presidente da Apple para lidar com o tratamento de um câncer de tipo raro no pâncreas.

O Steve Jobs que ninguém conheceu: entenda um hippie inseguro transformou o mundo.

Jobs tinha um histórico de doenças graves durante os anos 2000. Ele descobriu o câncer no pâncreas em 2004 e se manteve na luta até 2011. Em 2009, submeteu-se a uma cirurgia de transplante de fígado.

Figura icônica, Jobs inclusive terá sua vida levada para o cinema, interpretado por Ashton Kutcher, atualmente estrela do seriado Two and a Half Men. O filme se chamará Jobs e será baseado no roteiro de Matt Whiteley e dirigido por Joshua Michael Stern (Promessas de Um Cara de Pau).

A revista Forbes estimou que ele valesse mais de US$ 8 bilhões (R$ 16 bi, na conversão atual). Mas sua fama nunca foi pelo dinheiro.

Steve Jobs: a morte de um revolucionário.

Foi nas apresentações dos novos produtos da Apple que o rosto de Jobs ganhou o mundo. Jobs tinha a responsabilidade de apresentar os produtos visionários da empresa, como os computadores Macintosh, e, claro, iPod, iPhone, iPad e iTunes. Sempre com um sorriso maroto nos lábios de quem sabe embasbacar os outros.